TIMAP – Tecnologias de informação nas Medidas de Autoproteção

0

Todos os edifícios, os estabelecimentos e os recintos devem, no decurso da exploração dos respetivos espaços, ser dotados de medidas de organização e gestão da segurança, designadas por medidas de autoproteção (MAP), medidas estas obrigatórias por lei.

O planeamento de segurança visa definir e preparar as ações a desenvolver em qualquer situação de emergência que ocorra num determinado estabelecimento ou na sua envolvente próxima. Tem como principal objetivo a minimização dos efeitos de qualquer emergência, no que concerne à preservação da vida humana e à manutenção das condições de segurança.

A importância da segurança ao incêndio nos edifícios é indiscutível, estando em jogo não só a vida das pessoas, mas também interesses diversos como, por exemplo, bens patrimoniais, valores históricos com forte simbolismo no imaginário coletivo, que uma vez perdidos dificilmente serão recuperados e, ainda, a continuidade de serviços estratégicos para a sociedade em geral.3

As MAP são um documento, necessariamente mantido sempre atualizado, composto por um conjunto de normas e procedimentos, que articula os meios humanos e materiais disponíveis na instalação (edifícios/estabelecimentos). Este conjunto de documentos descreve como proceder em caso de sinistro, como proceder para haver uma prevenção correta dos vários espaços e equipamentos que estão nos estabelecimentos/edifícios e, além desses procedimentos, as MAP também são compostas pelos registos de segurança, isto é, registo de manutenções, intervenções no edifício/estabelecimento, vistorias, inspeções, entre outros.

Mas a implementação das MAP não consiste apenas na elaboração de um dossier contento toda a informação referida anteriormente, também é necessário haver formação e em alguns casos a realização de exercícios de evacuação (simulacros).

4Face ao exposto acima vários são os problemas que podem serem identificados relativamente à forma como as MAP estão a ser implementadas e geridas, nomeadamente na composição do documento que em muitas das situações, se torna pouco dinâmico e dificilmente utilizável, atingindo o seu conteúdo as centenas de páginas que o tornam deveras maçador e impossível de consultar numa situação de emergência, porque ou os dossiers não estão disponíveis ou não estão atualizados e claro não há tempo de consultar face a situação que está a ocorrer. As desatualizações a que ficam sujeitas ou quando, mesmo que atualizadas, essa informação não chega às entidades competentes – Corpos de Bombeiros e Proteção Civil, entidades cuja intervenção tem que ser coordenada com as dos ocupantes dos edifícios/estabelecimentos, conforme estipulado nas MAP. Outra dificuldade surge ao nível das Administrações que dispõem de vários edifícios/estabelecimentos sob a sua responsabilidade, sendo-lhes extraordinariamente difícil terem presente todas as MAP, de forma a responderem eficazmente a qualquer situação de emergência. Outro aspeto importante é as questões relacionados com a falta de manutenção, quer dos equipamentos quer das instalações e a realização dos exercícios de evacuação devido ao esquecimento ou desconhecimento. Além dos problemas referidos anteriormente, importa ainda salientar o problema da formação/informação que todos os funcionários de um estabelecimento deviam ter sobre a implementação das MAP, mas tal situação na grande maioria dos casos não se verifica.

Com as tecnologias que hoje temos à disposição porque não criar ferramentas que nos ajudem no nosso dia-a-dia e em situações de emergência. Foi com esse objetivo que a plataforma TIMAP foi criada. 2

A plataforma TIMAP consiste em colocar as tecnologias de informação ao serviço das medidas de autoproteção, isto é, tornar as MAP dinâmicas, acessíveis quando necessárias e realmente funcionais. É uma plataforma web, segura e de fácil utilização, onde é possível registar toda a informação relativa às medidas de autoproteção (MAP) de uma ou várias utilização-tipo, permitindo efetuar a gestão e alteração de todas as partes que as integram. Esta plataforma permite também notificar os intervenientes na manutenção dos equipamentos, quer de emergência quer das instalações, bem como outro tipo notificações, tais como a realização de simulacros, alterações na composição da equipa de segurança, número de efetivos, entre outras possibilidades.

A plataforma TIMAP é uma ferramenta de trabalho que permitirá com que as MAP sejam realmente dinâmicas, sempre atualizadas, cumprindo integralmente os objetivos da regulamentação de segurança contra incêndios em vigor e que não sejam apenas um dossier numa prateleira.

5As entidades externas (proteção civil e bombeiros) têm acesso às MAP, que estão sob a sua jurisdição, podendo consultá-las, dar pareceres e ser notificadas quando as mesmas são alteradas.

Com o TIMAP os bombeiros poderão no percurso para os incêndios, conhecer as caraterísticas das instalações, meios de segurança passivos e ativos disponíveis, etc., permitindo uma melhor preparação/conhecimento sobre o que irão encontrar quando chegarem ao local.

Como não teria sido mais fácil para os Bombeiros de Portimão, conhecerem as informações que o TIMAP disponibiliza, ainda durante o acesso ao RetailPark. Se mais não pudesse ser exigido na eficácia do combate, ele seria, estamos certos, bem mais facilitado.

 

Elisabete Cordeiro

EngSegInc – Engenharia de Segurança aos Incêndios, Unipessoal LDA

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.