Podem os drones ser parte da solução no combate a incêndios? (com vídeos)

1

hovrmsto07agA utilização de drones para efectuar imagens fotográficas veio substituir o papel dos helicópteros tripulados para efectuar os mesmos trabalhos. No Dispositivo de Combate a Incêndios (DECIF) deste ano a organização já previu a utilização dos Aviões C-295M da Força Aérea Portuguesa para recolha de informação sobre grandes incêndios e posterior comunicação ao Posto de Comando para reorganização de estratégia. No entanto, tudo isto não poderia ser efectuado com a inclusão de equipamentos mais económicos e mais presentes em “todos” os Teatros de Operações?

Quando o fogo alastrou no último mês através da Nova Gales do Sul (NSW), um avião pilotado remotamente capturou o drama completo da destruição.

De seguida a Civil Aviation Safety Authority (CASA) entrou em cena, alertando os operadores de drones amadores para não efectuarem voos junto a incêndios sem a permissão das autoridades ou iriam enfrentar multas que rondariam os 6.000 euros.

Mesmo assim, ficou no ar a ideia de que drones certificados poderiam ser parte da solução no combate a incêndios.

Pesquisadores de Queensland estão a desenvolver aviões não tripulados para uso na prevenção e resposta a catástrofes.

Rowland Marshall, do Australian Research Centre for Aerospace Automotion, assinala que os drones poderiam assumir os trabalhos de risco extremo que antes eram efectuados por seres humanos. “Os seres humanos vão entregar certas missões de monitorização ou de combate a incêndios a equipamentos que funcionam de forma quase autónoma e que, basicamente, fazem tudo o que é chato, sujo ou perigoso”, disse ele.

É o trabalho de Richard Applin, da Insitu Pacífico, que leva a cabo um plano de investigação para aplicação comercial deste tipo de equipamentos. Applin está convencido de que há benefícios claros para a utilização de máquinas em vez de pilotos durante períodos de crise. “Qual é o preço de uma vida? Eu acho que na verdade tudo se resume a isso. “

Shane Fitzsimons dos Bombeiros de Nova Gales do Sul diz que eles também estão a estudar formas de usar aviões não tripulados. “Nesta fase os estudos centram-se na acção em torno da estratégia, recolha de informações, reconhecimento de áreas, esse tipo de coisas. “

Peter Gibson da CASA diz que um dos maiores desafios para a autoridade de segurança é como integrar a aeronave não tripulada em operações aéreas existentes sem representar uma ameaça para as pessoas ou bens. “São máquinas que levantam alguns problemas ao nível da sua utilização. Recordemos que eles têm lâminas que representam um perigo acentuado, pois podem causar lesões mortais”, disse ele . Acrescentou ainda que “Certamente eles poderiam também causar danos a outras aeronaves presentes no combate a incêndios.”

Há 60 operadores licenciados para utilização de drones comerciais na Austrália, um tipo de profissionais, diz Gibson, que está a crescer ao longo do tempo.

Em Portugal a utilização destes aparelhos também já é uma realidade. Os vídeos começam já a surgir na internet, mas, ao contrário da Austrália, ainda não houve qualquer tipo de manifestação por parte das autoridades para harmonizar ou licenciar a sua utilização aquando da ocorrência de incêndios ou de outras catástrofes.

Poderemos começar essa discussão aqui e agora?

 

Notícia Portal Bombeiros.pt com SBS Austrália




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).