“Ser bombeiro é um sentimento inexplicável”

0

Em dia de aniversário, conheça o testemunho de Albano Silva e Beatriz Ribeiro, bombeiros da Associação Humanitários dos Bombeiros Voluntários de Vila Meã.

“Ser bombeiro é um sentimento inexplicável”. É desta forma que Albano Silva, de 58 anos, descreve os quase 40 anos como bombeiro voluntário na Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Meã, no concelho de Amarante.

O operacional comemora quatro décadas de casa no mesmo dia em que a associação humanitária assinala 40 anos de existência, sendo o único bombeiro fundador que ainda se encontra no quadro ativo operacional. “Sou bombeiro voluntário há 40 anos, tenho o meu trabalho próprio, mas esta é a minha segunda casa”, afirmou.

Albano Silva completa 60 anos no dia 1 de setembro de 2022 e, nessa altura, deixará o quadro ativo dos bombeiros e passará para o quadro de honra. “Por um lado estou feliz, mas por outro sinto-me triste. Esta é a minha família, estão aqui os meus amigos, é aqui que me sinto bem e continuarei a frequentar esta casa”, garantiu, recordando a “camaradagem” vivida desde o início. “Estávamos sempre todos juntos, tinhamos dias que nem era preciso tocar a sirene porque estavamos cá todos”, acrescentou.

O operacional garante ter “várias histórias para contar” nestes 40 anos ao serviço da população de Vila Meã, mas há uma saída que ficará, sempre, na memória. “Assisti a um parto, foi o único em 40 anos de serviço. Estava um dia de frio, mas eu não tinha frio nenhum. Quando chegamos o bebé estava a querer nascer, chamamos a VMER, preparamos tudo e, quando chegaram os operacionais da VMER a bebé nasceu. Hoje, 12 anos depois, a menina ainda continua a vir ter comigo para me cumprimentar”, revelou.

Para os bombeiros que ainda “vão chegar” e para os mais novos, Albano Silva deixa uma mensagem: “ser bombeiro sente-se, é inexplicável. Ser bombeiro é pôr sempre o outro à nossa frente e isso é lindo”.

Uma das bombeiras mais novas da corporação de Vila Meã é Beatriz Ribeiro que leva na bagagem os ensinamentos de Albano Silva e de outros bombeiros mais antigos. “É a aprendizagem, a segurança e a calma. Eles ensinam tudo o que sabem e temos de saber aprender”, sublinhou.

A jovem, de 20 anos, decidiu alistar-se nos bombeiros para “ajudar os outros” e também para superar o medo. “Sou a primeira da família, os meus pais apoiaram-me e isso é muito importante para mim”, concluiu, deixando a garantia: “quero continuar aqui até ser possível”.

FONTE: ANA MAGALHÃES/AVERDADE.COM

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.