Bombeiros das Caldas recebem 133 mil euros da população do concelho e da Câmara

0

Os bombeiros das Caldas da Rainha receberam no passado domingo 133 mil euros da população e da autarquia local, tendo realizado um desfile para mostrar as ofertas recolhidas em peditórios nas doze freguesias do concelho.

As doze juntas de freguesia das Caldas da Rainha elaboraram uma recolha de donativos. Autarcas, acompanhados por bombeiros, bateram porta a porta para reunir verbas para os soldados da paz. A iniciativa é realizada anualmente e num ano difícil ao nível dos incêndios florestais, notou-se a preocupação em ajudar os bombeiros.

Este ano foi batido o recorde de dinheiro angariado – 133 mil euros. Simbolicamente foram entregues cheques gigantes à corporação por cada presidente de junta, após um desfile pela cidade.

“É um sinal do reconhecimento que a população tem pelos bombeiros, num ano difícil ao nível dos incêndios florestais”, disse Nelson Cruz, comandante da corporação.

“Este ano, por todo o país, houve muitos incêndios, foi um ano trágico. Nas Caldas da Rainha felizmente não tivemos tragédia. Não houve feridos nem casas ardidas mas houve uma extensão de 400 hectares ardidos. Para nós já é muito hectare, não estamos habituados a tanto”, referiu ao JORNAL DAS CALDAS.

De acordo com o responsável, “a população das Caldas da Rainha todos os anos, de uma forma muito generosa, costuma contribuir para este cortejo de oferendas, que ronda sempre à volta dos cem mil euros. Este ano há uma subida significativa porque as pessoas reconheceram que os bombeiros deram tudo o que tinham para dar, mesmo naqueles concelhos que não conseguiram minimizar esta tragédia, mas as pessoas sabem que os bombeiros puseram a própria vida em risco”.

Desde maio até outubro Caldas da Rainha teve um dispositivo operacional sempre fora do concelho em incêndios, na Serra da Estrela, Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Proença-a-Nova, Mação, entre outros locais.

Os bombeiros que fizeram parte das equipas de combate a incêndios florestais prescindiram das gratificações ao fim de semana e entregaram à associação humanitária mais de oito mil euros.

“É com um orgulho grande que temos o nosso cheque no cortejo já há alguns anos. Doamos para mostrar também à população que estamos com a direção. É uma verba significativa que abdicamos e que dava jeito ao fim do mês, mas fazemos um sacrifício para compra de equipamentos”, manifestou ao JORNAL DAS CALDAS o chefe Joaquim Pinheiro.

O montante de 133 mil euros, para o qual a Câmara Municipal também contribuiu com 22 mil euros, equivale a um mês de trabalho dos 110 elementos do corpo ativo e servirá para adquirir uma ambulância de socorro ( a corporação faz 550 serviços de emergência médica por mês e só existem seis ambulâncias) e duas de transporte de doentes (tem duas ambulâncias do ano de 2004 com 700 mil quilómetros que estão na altura de serem trocadas por novas) , vinte aparelhos respiratórios para combate a fogos no interior de habitações (cada custa 1600 euros), fardamento e ainda para obras no quartel (no primeiro andar, substituição do telhado de amianto e ampliação da sala).

Vítor Marques, presidente da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, relatou que “notamos que este ano há uma maior sensibilidade dos caldenses, que se se traduz num apoio maior, e pela consciência de que os dinheiros destes peditórios são bem gastos na criação de condições para os bombeiros darem resposta às necessidades das populações”. “Andámos quase dois meses no peditório”, indicou o autarca.

“Se a população não estivesse connosco não conseguiríamos bater o recorde do cortejo de oferendas”, sublinhou Abílio Camacho, presidente da direção da associação humanitária, enquanto que Carlos Figueiredo, presidente da assembleia geral, destacou o trabalho realizado pelos presidentes de junta e as brigadas de bombeiros que participaram na recolha das verbas nos diversos lugares do concelho.

O presidente da Câmara, Tinta Ferreira, afirmou que “é das iniciativas mais generosas da comunidade do concelho, que dá o seu contributo na convicção de que os bombeiros são capazes de prestar o serviço”.

No final do cortejo realizou-se um concerto com a banda Terabytes e houve um lanche oferecido pela população no quartel.

Valores dos donativos

A-dos-Francos: 5.738,20 euros; Alvorninha: 7.000,00 euros; Carvalhal Benfeito: 3.467,42 euros; Foz do Arelho: 3.200,00 euros; Landal: 3.550,00 euros; Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório: 30.732,67 euros; Nadadouro: 4.548,16 euros; Salir de Matos: 8.200,00 euros; Santo Onofre e Serra do Bouro: 15.250,00 euros; Santa Catarina: 7.208,69 euros; Tornada e Salir do Porto:10.067,68 euros; Vidais: 4.773,75 euros; Câmara Municipal das Caldas da Rainha: 22.000,00 euros; Comando e corpo combatente: 8.195,00 euros.

Jornal das Caldas

About author

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou.
Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade.
A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.