Bombeiros e Câmara de Espinho avançam com permuta que viabilizará novo quartel

0

Câmara Municipal e Bombeiros Voluntários do Concelho de Espinho (BVCE) vão avançar com a permuta de imóveis que permitirá a construção de um novo quartel para a primeira corporação nacional resultante de fusão, anunciou hoje a autarquia.

Em causa está a troca dos dois quartéis que os bombeiros detêm no centro da cidade de Espinho por um terreno municipal na freguesia de Anta de que a corporação precisa para avançar com a construção do novo edifício, já com financiamento garantido.

“A Assembleia Municipal de Espinho aprovou com 17 votos a favor e oito abstenções a permuta de terrenos entre o município de Espinho e a Associação Humanitária dos BVCE”, refere a câmara.

Em setembro, a medida já tinha sido analisada na Assembleia, mas foi reprovada pela oposição, o que chegou a levar cerca de 80 bombeiros a manifestarem-se na rua, reclamando contra a o chumbo da medida e procurando esclarecer a população quanto à permuta, que, a não verificar-se, comprometia o financiamento de 980.000 euros já atribuído ao projeto pelo POSEUR (Programa Operacional para a Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos).

Três meses mais tarde, o comunicado da autarquia afirma que “a proposta agora aprovada apresenta os mesmos termos daquela que foi reprovada no passado mês de setembro”, pelo que o presidente da câmara social-democrata, Joaquim Pinto Moreira, lamenta “que a oposição tenha sobreposto o interesse do calendário eleitoral ao interesse da autarquia, criando um caso e uma polémica que só prejudicou os bombeiros da cidade”.

Contactado pela Lusa, o presidente da Associação Humanitária dos BVCE, Joaquim Conde Figueiredo, confirma que a proposta agora aprovada foi a mesma que já em setembro se discutira na Assembleia Municipal e, questionado sobre o que terá motivado a mudança no sentido da votação, disse: “Acho que foi a consciência das pessoas”.

O mesmo responsável informou que já deu início aos procedimentos para lançamento do concurso público que permitirá selecionar a construtora do novo quartel e, esperando que o processo possa arrancar no início da próxima semana, declarou: “Depois de selecionado o empreiteiro e uma vez começada a obra no terreno, a previsão é de que os trabalhos fiquem concluídos no prazo de um ano”.

DN

About author

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou.
Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade.
A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.