“Depois de tudo falhar na defesa, o que resta são os bombeiros”

0

Primeiro ministro defendeu hoje, no Congresso da Liga dos Bombeiros, em Fafe, que “seria irresponsável o Governo ignorar o que diz o relatório da Comissão Técnica Independente” sobre a tragédia de Pedrógão e garantir que não haverá “dicotomia entre prevenção e combate” nem “entre bombeiros voluntários e profissionais.

primeiro ministro voltou a defender hoje que a reforma que o Governo quer colocar em marcha na gestão da floresta e na prevenção e combate a incêndios “tem de unir e não dividir, tem de somar e não separar”. Nesse sentido, num discurso proferido no Congresso da Liga dos Bombeiros, em Fafe, argumentou, que “não há dicotomia entre prevenção e combate”, da mesma forma que, mesmo que seja necessário “ter mais e melhor especialização”, também “não há dicotomia ou entre ser voluntário e profissional”.

Num discurso em que louvou o papel dos bombeiros, António Costa lamentou a “posição ingrata” em que estes desempenham o seu papel. E comparou-os à “posição do guarda-redes” num jogo de futebol: “Depois de tudo falhar na defesa o que resta são os bombeiros”, disse, apontado de seguida os falhanços “no ordenamento da floresta” ou em “todo o sistema de prevenção”.

Sobre o “momento de reflexão” que o país atravessa no sentido da “indispensável mudança” para corrigir os erros que estiveram na origem das tragédias deste verão, António Costa reiterou que o Governo tem “o estrito dever” de aplicar as conclusões do relatório produzido pela comissão nomeada pela Assembleia da República.

“Seria irresponsável o Governo ignorar o que diz o relatório da Comissão Técnica Independente. É o momento de partir deste documento para fazer a reflexão necessária sobre os desafios”, apelou, alertando no entanto para a necessidade de enfrentar “este momento de transição sabendo que a ameaça não é de médio e longo prazo; é já amanhã”.

(Fonte: Expresso)




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).