Sexo, Drogas e Incêndios

0
daniel rocha

Daniel Rocha

Por incrível que pareça, não foram os incêndios das últimas semanas que estiveram no foco reflexivo principal de todos aqueles que vivem os bombeiros portugueses com intensidade e sinceridade.

Por incrível que pareça, foram as letras gordas dos jornais e os sons agressivos da rádio e televisão a anunciar que alguns dos “nossos” bombeiros eram responsáveis pelo início de um sem número de incêndios, foram as notícias a anunciar que dois dos “nossos” bombeiros tinham sido apanhados devidamente uniformizados em pleno acto de tráfico de droga, foram as notícias de um dos “nossos” bombeiros que usou a ambulância para a prática de sexo… Estes foram os momentos negros que importa, sim, trazer para a discussão e lançar uma pergunta que merece, sim, uma visão mais romântica (o estatuto agónico do bombeiro é sempre uma visão que vende bem), mas será preciso, principalmente, que essa mesma pergunta tenha uma resposta bem mais realista: O que é um Bombeiro?

Dos casos que atrás se enunciaram, e que estiveram presentes nos intervalos do combate a incêndios, o último (sim, o do bombeiro, sexo e uma ambulância) merecerá uma menção especial e rápida, pois trata-se de uma questão de cinema. O desejo despertado pelos filmes sobre bombeiros, de origem principalmente norte-americana, na mente dos bombeiros portugueses poderá ter originado esse acontecimento, juntando-se por fim aquele célebre provérbio que diz que a “ocasião faz o ladrão”. Neste caso, parecerá que o calor terá elevado os corpos a um estado tal de desejo que a irracionalidade provocada pelos filmes e pelo sexo terá sido mais forte. Um descuido? Um acto irreflectido? Um desejo secreto? Talvez, mas um mau princípio e uma atitude primária que deve estar longe de seres que se querem racionais e objectivos na missão que quiseram abraçar. Logo, querem-se homens e mulheres que cumpram as suas missões e que não se remetam a momentos que, acredito, possam ser interessantes mas que não são os daquele espaço. Para além disso, e vendo o lado positivo e risível, pode ser uma boa oportunidade de negócio para os empreendedores dos encontros românticos: vá, empresários da hotelaria, empreendam e abram um quartito para encontros românticos dentro de uma ABTD! Aposto que terão clientes e que o sucesso será tal que até me poderão atribuir uma percentagem desses ganhos.

Os casos dos bombeiros incendiários e do tráfico de droga são questões de polícia e merecem, da parte de quem se entrega a esta causa de forma honesta, o tratamento mais radical possível. Nós, bombeiros portugueses, temos pais, irmãos, amigos que morreram em incêndios e não podemos permitir que os “nossos” bombeiros nos coloquem em risco só porque estão mal dispostos ou tiveram um mau dia. Esses homens e mulheres não merecem nem podem estar do nosso lado e devem, de imediato, ser expulsos de todos os corpos de bombeiros e entregues às autoridades policiais. Não pode nem deve haver contemplação com estas atitudes que, como todos sabemos, nos colocam em risco máximo. E isto é extensível aos “nossos” que nos comprometem ao utilizar drogas ou ao praticar qualquer tipo de negócio obscuro ao coberto do bom nome dos bombeiros. Vejam que não foi o “João” ou o “António” que foram detidos por tráfico de droga ou por crime de incêndio. Foram os “bombeiros” que foram detidos. É toda a estrutura dos bombeiros, todos aqueles que dão de si na defesa da sociedade e na defesa das pessoas e bens, que estão a ser expostos pelos crimes de meia dúzia de delinquentes que contaminam as nossas fileiras.

Sim, tudo isto para chegar ao ponto e à questão fulcral que é preciso colocar de forma fria e objectiva: estamos nós, bombeiros portugueses, a recrutar quem não pode nem deve ser recrutado?

Famalicão da Serra, 7 de Setembro de 2014

Daniel António Neto Rocha

Sobre o autor

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).