Rui Rio quer estratégia de prevenção de incêndios e promete pressionar Governo

0

Ordenamento do território, fiscalização e protecção civil. Segundo Rui Rio, estes são os pontos que falharam nos incêndios de 2017 e nos quais o Governo devia ter uma estratégia e não tem.

O presidente do PSD falava aos jornalistas à porta da Biblioteca Municipal de Arganil, depois de se encontrar com a Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal, com o Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões e com a Associação de Produtores Florestais do Concelho de Arganil. “Desta reunião, aquilo que ficou mais claro foi o completo falhanço da Protecção Civil durante os incêndios”, afirmou, naquela que foi a primeira saída para o terreno desde que tomou posse como líder do partido.

Mas a Protecção Civil é apenas um dos pontos que realça. “Ordenamento não temos, fiscalização é fraquíssima e a protecção civil falhou redondamente”. Rio entende que o Governo “tem de ter” uma estratégia para cada uma destas questões. Com a deslocação a Arganil, um dos concelhos afectados pelos incêndios de Outubro de 2017, o líder do PSD quis “compreender melhor aquilo que pode estar escrito no relatório” que foi apresentado na semana passada.

E as falhas apontadas no documento podem atribuídas exclusivamente ao executivo de António Costa? “Não podemos dizer que a responsabilidade foi só naquele dia, naquele momento e naquele Governo que estava”. No entanto, o presidente do PSD atribui a culpa a quem tutela a Protecção Civil e a “quem alterou” os seus quadros “quando tomou posse”. Acrescenta: “isso em nada contribuiu para maior eficácia, antes pelo contrário”.

De visita à zona Centro do país, Rio concluiu também que os sistemas de apoio também não estão a ser eficazes. “O apoio às vítimas não tem estado a correr da forma que devia” e é preciso “eliminar a burocracia que está a entravar o apoio”. Há também casos de “pessoas com bastantes dificuldades económicas” e “empresários que não conseguem recuperar minimamente a sua actividade”.

A dificuldade em voltar a laborar leva a “uma bola de neve no sentido contrário numa região sensível, sublinha o líder social-democrata. A economia destes concelhos enquadra-se numa “zona muito muito desertificada do interior, já débil”.

Já no salão dos bombeiros, Rio ouviu do comandante dos BVA, Nuno Costa, o pedido para que fizesse pressão “junto do poder central” para aumentar os apoios sociais aos voluntários, reequipar as corporações e profissionalizar os bombeiros. Nuno Costa falou sobre a dificuldade em angariar voluntários e sobre os poucos meios ao dispor. “Estivemos sozinhos, com nove veículos, no dia 15 de Outubro”, sendo que uma das viaturas conta já com 50 anos, aponta.

O líder laranja lembrou também que, dado o papel de oposição a que está remetido, não lhe compete o papel de “fazer”, mas sim de “fazer tudo por tudo para que o país faça”. Assim, deixou a garantia de contribuir para “fazer a pressão adequada sobre as entidades responsáveis”. Antes, questionado pelos jornalistas, Rio especificava que a pressão seria feita “no Parlamento e em visita ao terreno”. Afinal, é “aquilo que um partido da oposição pode fazer”.

Publico




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.