Incêndio em Góis está dominado

O fogo que desde sábado passado lavra no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, foi dado como dominado esta quinta-feira, às 07h41, informou o comandante operacional, Carlos Tavares.

“É um trabalho que tem que ser feito com muito cuidado, para evitar reacendimentos“, explica Carlos Tavares, adiantando que “logo que possível” regressarão ao palco de operações os quatro aviões e os dois helicópteros que têm sido vitais no combate às chamas. A utilização destes meios aéreos no combate ao incêndio foi suspensa esta manhã devido ao nevoeiro.

Uma das aeronaves ainda foi usada esta manhã para tentar controlar uma frente de fogo na zona de Arganil, mas o nevoeiro cerrado que se abateu sobre a serra, e que tarda em dissipar, obrigou a uma retirada por questões de segurança.

No terreno, em operações de rescaldo e controlo continuam 1.010 operacionais (103 deles de nacionalidade espanhola) apoiados por 284 viaturas e sete máquinas de rasto.

Com o incêndio dado como dominado, já estão no terreno as equipas municipais de proteção civil de Góis e Pampilhosa da Serra, que estão a avaliar as condições de segurança nas 27 aldeias em que os habitantes tiveram de ser retirados devido à proximidade das chamas.

“Se a avaliação for positiva podemos acelerar o regresso das pessoas a suas casas”, diz Carlos Tavares, lembrando que na quarta-feira cinco aldeias foram declaradas em condições para acolher os habitantes que tinham sido encaminhados provisoriamente paras instalações em Góis e Pampilhosa.

No total, o fogo afetou perto de duas centenas de pessoas, que tiveram de ser encaminhadas para zonas seguras. Não há, até agora, registo de qualquer habitação destruída pelas chamas, mas muitos armazéns e barracões acabaram calcinados.

Segundo estimativa do comandante operacional, o incêndio, que agora se encontra em fase de rescaldo, terá destruído uma área florestal a rondar os 20 mil hectares.

Depois de ter retirado a vida a 64 pessoas e ter provocado mais de 200 feridos, o fogo em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, também já se encontra dominado desde a tarde desta quarta-feira, segundo o comandante operacional da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto.




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.