Presidente destituído foi detido em Pedrógão Grande por “usurpação de funções”

0

Rui Silva, presidente destituído da Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários, foi detido esta quarta-feira em Pedrógão Grande por “usurpação de funções”.

Rui Silva procedia a uma entrega de donativos aos bombeiros de Pedrógão Grande, em nome da associação que já não preside.

O presidente destituído da Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários (APBV), Rui Silva, foi detido esta quarta-feira em Pedrógão Grande, por alegada “usurpação de funções”, confirmou uma fonte da comissão de gestão da APBV ao Observador.

A mesma fonte avançou que Rui Silva procedia esta quarta-feira de manhã a uma entrega de donativos aos bombeiros de Pedrógão Grande em nome da APBV – associação que já não preside – e terá sido detido pela GNR de Pedrógão Grande no decorrer das atividades. Além das funções que exercia sem autoridade, Rui Silva encontrava-se fardado sem autorização.

 Também terá sido detido o tesoureiro que formou direção com Rui Silva, que foi destituído na mesma altura.

Contactada pelo Observador, a GNR do município não confirma nem desmente a detenção: “Sendo verdade, não o podemos confirmar”.

Um comunicado enviado pela comissão de gestão ao Observador dá conta da intenção de pedir “judicialmente a dissolução e liquidação da Associação” face a “momentos difíceis, mercê de situações que se prendem com a regularidade dos membros dos órgãos sociais.”

A Direção da APBV recusa-se a prestar contas e a diligenciar para que seja possível o agendamento de Assembleia Geral de Associados, cujo número e identidade se desconhecem.

Face a tais circunstâncias, é com profundo pesar que a Comissão de Gestão se vê forçada a tomar medidas drásticas que ponham termo à situação de desgoverno em que a Associação se mantém há meses.

Assim, será pedida judicialmente a dissolução e liquidação da Associação.”

Em abril deste ano, a Presidente da Mesa da Assembleia Geral da APBV fez saber que Rui Silva continuava a exercer funções e a dar a cara pela associação, apesar de ter sido destituído em fevereiro por “irregularidades nas eleições” dos órgãos sociais da associação.

Em causa está uma Assembleia Geral, convocada (sem legitimidade para isso) por Rui Silva, onde compareceram duas pessoas e onde foi aprovada a reeleição do bombeiro como presidente. A Presidente da Mesa prontamente anulou essa decisão, mas Rui Silva continua a encabeçar publicamente a APBV.

Já tinha sido colocado na reserva dos Bombeiros Voluntários de Vila do Conde por “não cumprir as horas mínimas de formação”, tinha confirmado o Comandante dos Bombeiros de Vila do Conde. Além da carreira nos bombeiros, Rui Silva é fiscal da Câmara Municipal de Vila do Conde e, agora, candidato do CDS à Junta de Freguesia de Árvore, no mesmo município.

Fonte: observador.pt




Sobre quem enviou a noticia

Pedro Fonseca

Pedro Fonseca

É natural e residente em Gouveia, a sua vida profissional está ligada nestes últimos 18 anos à área de consultadoria em seguros. Em 2013 foi fundador da empresa LICATEL - Soluções em Telecomunicações onde é sócio/gerente. Desde tenra idade ingressou nas camadas jovens dos Bombeiros de Gouveia tendo permanecido alguns anos nos quadros, ultimamente passou pela Direcção da referida Instituição dinamizando a área de comunicação e imagem. Frequentou a licenciatura em Gestão de Marketing no IPAM de Aveiro. Passou por diversas Associações de Gouveia dando o seu contributo.