Prepare-se para a beleza (e o perigo) de um eclipse solar

0

(Fonte: Observador)

A Lua, que nem se vê, vai cruzar o céu esta sexta-feira de manhã e colocar-se entre o Sol e a Terra. O eclipse será visível em toda a Europa, incluindo Portugal, mas não tente vê-lo diretamente.

Sexta-feira de manhã, se as condições atmosféricas o permitirem, haverá muitos curiosos de olhos postos no céu para ver o eclipse do Sol. Mas oftalmologistas e astrónomos recomendam prudência porque a observação direta do Sol pode provocar lesões graves na retina – membrana interna do olho. O Observador reuniu algumas recomendações e locais para observação acompanhada.

“Este tipo de lesão é indolor e pode levar horas ou dias a manifestar-se”, diz ao Observador Maria João Quadrado, presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia. “Mas bastam alguns segundos para surgirem danos permanentes.” Não que o Sol em dia de eclipse faça pior do que nos outros dias, as pessoas é que passam mais tempo a olhar para ele.

Se já se preparou com óculos ou vidros escuros, radiografias ou negativos de fotografias, CDs ou disquetes, o melhor é deixar essas ideias de lado. Embora possam eliminar parte da luminosidade ambiente não impedem as radiações solares de atingirem os olhos, mais especificamente a retina, explica ao Observador Nuno Santos, responsável pelas atividades de astronomia no Centro Ciência Viva de Estremoz.

Pior ainda se tentar observar o eclipse diretamente com binóculos, telescópios ou câmaras sem proteção. As lentes concentram a radiação solar num feixe e “a queimadura na retina é mais grave e mais rápida”, refere Maria João Quadrado. Já alguma vez viu atear uma fogueira usando um vidro ou uma lupa? Agora imagine o efeito na parte mais sensível do seu olho.

Quando se olha diretamente para o Sol sem proteção, os raios solares atingem o centro da retina, numa região chamada de mácula. Uma lesão nesta região sensível pode destruir a visão central, explica a médica. A visão periférica mantém-se, mas não é possível ver aquilo que está diretamente em linha com os olhos. Ao tentar ler este texto veria a parte central distorcida ou com uma mancha negra.

Como se pode ver um eclipse solar?

As expectativas para sexta-feira são grandes. Afinal, o último grande eclipse em Portugal foi há 10 anos e o próximo, quase total em algumas zonas do país, será só em 2026, segundo João Vieira, diretor do Observatório Astronómico de Gualtar da Sociedade Científica de Astronomia do Minho. Em 2021 e 2025 vão ocorrer dois eclipses solares, mas muito menos expressivos.

Porém, as únicas formas para observação direta do Sol é usando óculos com lentes próprias ou telescópios com filtros adequados. “Mesmo assim não se deve fixar o Sol por mais do que 20 segundos e deve fazer-se intervalos de três minutos entre as observações”, recomenda Maria João Quadrado. “O efeito da radiação solar na retina é cumulativo.” Também se podem usar vidros de soldador desde que sejam número 12 ou 14, recomenda Máximo Ferreira, coordenador científico do Centro Ciência Viva de Constância.

Os óculos e filtros adequados só poderão ser encontrados em lojas especializadas de astronomia, mas mesmo assim o Observatório Astronómico de Santana, nos Açores, deixa um alerta: os óculos não podem estar minimamente riscados e não devem ser reutilizados óculos antigos. Para precaver esta situação, o observatório construiu óculos que estão à venda no espaço.

No entanto qualquer pessoa pode usar métodos alternativos para ver o eclipse. Um furo numa folha ou uma lente de telescópio que projetem os raios de Sol numa superfície clara permitem ver um círculo de luz que gradualmente será sobreposto por um círculo mais escuro. O mesmo efeito pode ser conseguido com a luz que passa entre as folhas de uma árvore ou entre os dedos cruzados.

(Fonte: Observador)

(Fonte: Observador)

Um furo pequeno numa cartolina preta projeta um feixe de luz numa superfície clara. à medida que avançar o eclipse nota-se a sombra no círculo de luz

 

(Fonte: Observador)




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.