No ano mais severo do milénio ardeu menos do que o habitual

0

Incendiostarde noiteApesar de não ter contado com dois helicópteros pesados durante a fase mais complicada dos incêndios florestais, a Autoridade Nacional de Proteção Civil diz que, até agora, a área ardida em 2015 está 35% abaixo da média dos últimos dez anos.

O cenário era à partida bastante mau. Até ao final de agosto, o nível de severidade meteorológica, um índice usado para descrever as condições do clima do ponto de vista dos riscos de incêndio, foi maior do que em qualquer ano anterior desde a viragem do milénio. Mas, apesar disso, o balanço feito esta terça-feira pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) foi melhor do que nos piores anos de fogos florestais (2003, 2005 e 2013) registados em Portugal.

Foi, inclusive, melhor do que a média nos últimos dez anos. De acordo com José Manuel Moura, comandante operacional nacional da ANPC, houve menos 35% de área ardida do que na média do decénio (embora o número de ocorrências seja praticamente igual). Arderam 54 mil hectares de florestas e matos, comparados com os 83 mil hectares ardidos em média nos primeiros oito meses do ano desde 2005.

In Expresso

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.