NASA prevê zonas de desenvolvimento de futuros incêndios florestais

0

Portugal_Aqua_MODIS_130810A agência espacial utilizará dois satélites durante os próximos 87 anos para detectar com antecedência os incêndios de grande magnitude.

Para facilitar a detecção precoce de incidentes a National Aeronautics and Space Administration (NASA) usa dois satélites que podem prever o risco de incêndio para os próximos 87 anos .

A agência espacial desenvolveu um novo sistema que, embora não seja capaz de prever onde um incêndio vai começar exatamente, poderá definir quais as regiões do mundo que terão um maior risco de incêndio até 2100.

Para fazer isso, utilizará um indicador que os seus criadores chamam de “Evaporação Potencial”. Por sua vez, esta análise, baseado na medição da humidade do solo por dois satélites que analisam o planeta, será efectuada por um par de satélites baptizados muito apropriadamente para esta finalidade: Terra e Aqua.

No entanto, o trabalho destes dois satélites não é novo, pois ambos medem os índices de humidade do solo nos EUA desde os anos 80. No entanto, depois de três décadas em vigilância, os dados já são suficientes para criar uma previsão futura.

Terra e Aqua estão equipados com um espectroradiómetro de imagens de resolução moderada (MODIS). Este acessório revolucionou o que os cientistas sabem sobre o papel do fogo na mudança da cobertura vegetal da Terra e sobre os processos dos ecossistemas no ciclo global do carbono.

Além disso, a incorporação do MODIS tem permitido aos investigadores mapear características da distribuição global de incêndios em grande detalhe, publicou o sítio Phys.org .

Em todo o mundo, a cada 99 minutos, os dois sensores colocados nos satélites fornecem quatro observações diárias de incêndios ativos, que são transmitidos para os gestores florestais em todo o mundo.

Além das observações da Terra e Aqua, um outro instrumento chamado Ozone Mapper Profiler Suite (OMPS), viajando a bordo do satélite Suomi NPP , é responsável pela medição da concentração de aerossóis associados a tais eventos . Neste caso, os que são gerados por incêndios florestais.

Fonte: La Opinión




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).