“Não há uma árvore que valha uma vida”

0
Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Um levantamento feito pelo ex-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Duarte Caldeira, indica que nos últimos 33 anos morreram 216 bombeiros, 104 dos quais em incêndios florestais, avança ao semanário SOL. Para este ano, a mensagem já foi transmitida pela tutela “Não há uma árvore que valha uma vida”.

O verão faz-se cinzento mas os incêndios, ainda que tímidos, continuam a ser das principais preocupações. Só no ano passado o fogo do Caramulo tirou a vida a oito bombeiros. Nos últimos 33 anos, foram 104 os que morreram junto das chamadas ou nos trajetos de ida e volta do incêndio.

Esta é a principal conclusão de um levantamento feito pelo ex-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Duarte Caldeira, em declarações esta sexta-feira ao semanário SOL.

O ano passado assumiu-se como um dos mais trágicos das últimas três décadas e o aviso para este ano já foi feito pelo Ministério da Administração Interna: “Não há uma árvore que valha uma vida”.

Ao semanário SOL, o comandante nacional de operações da Autoridade Nacional da Proteção Civil, José Manuel Moura, segue a mesma linha de pensamento e acrescenta: “Convém relembrar que o lema dos bombeiros é vida por vida e não vida por árvore”.

“Face à tragédia do ano passado, sentimos a necessidade de reforçar esta mensagem”, frisou.

(Fonte: Lusa/ Notícias ao Minuto)

 




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).