Mais de 50% dos bombeiros voluntários são obesos ou têm excesso de peso

0

bombeiros[1]_hdrPrograma de Vigilância em Saúde dos Bombeiros avaliou mais de 7000 elementos em vários indicadores, como o peso, a pressão arterial, o colesterol e a glicémia.

Mais de metade dos bombeiros voluntários portugueses tem excesso de peso ou mesmo obesidade, o que acaba por ter efeitos noutros indicadores de saúde, como é o caso do colesterol e da pressão arterial. O retrato foi traçado neste sábado e faz parte do Programa de Vigilância em Saúde dos Bombeiros, que analisou um total de mais de 7000 voluntários de todo o continente e também arquipélago da Madeira. No entanto, segundo o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, “o cenário não é de grande preocupação”, permitindo até uma “oportunidade de melhoria”.

O programa, cujos resultados intermédios foram agora apresentados, começou em Outubro de 2013 e prolonga-se por cinco anos. Durante este período vai chegar a cerca de 30 mil voluntários, na sequência de “uma antiga reivindicação da Liga dos Bombeiros Portugueses”. A vigilância médica estava prevista na própria lei mas ainda não tinha saído do papel. Nesta fase foram já analisados e aconselhados 7627 bombeiros de 18 distritos do continente e da Madeira, pertencentes a 167 corporações, com o apoio financeiro da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Em mais de 79% dos casos são homens entre os 18 e os 76 anos, sendo que 59,8% têm entre 23 e 42 anos. Um dos resultados diz respeito ao índice de massa corporal, com apenas 35,5% dos bombeiros a apresentarem valores considerados de peso normal. Há 37,4% em situação de pré-obesidade, 17,1% na chamada obesidade de grau I e 4,7% com obesidade de grau II. Há ainda 1,1% com grau III, ou obesidade mórbida.

Jaime Marta Soares garante que mesmo com estes valores “o cenário não é de grande preocupação”. “Não fogem do que se encontra nos cidadãos portugueses. Mas claro que devem ser os primeiros a estar bem de saúde para poderem ajudar os outros”, reconhece. “O importante deste programa é que muitos dos bombeiros são alertados para o risco e encaminhados, por exemplo, para o médico de família”, acrescenta o presidente da LBP. Cerca de mil dos voluntários analisados foram referenciados para vários profissionais de saúde.

O programa avaliou também outras variáveis. Foi feito um rastreio visual aos participantes e um electrocardiograma em repouso. As conclusões indicam que 43% dos elementos tinham a pressão arterial normal. Em quase 15% dos electrocardiogramas foram detectadas alterações, assim como em 27,8% dos rastreios visuais. No que diz respeito ao colesterol, em 42,5% das análises os valores detectados estão acima do que é considerado normal. No caso dos triglicéridos o cenário é melhor, com apenas 23,3% de bombeiros a apresentarem valores superiores ao aconselhado. A glicémia, um dos indicadores de possível diabetes, estava dentro dos parâmetros normais em 72,3% dos elementos.

O presidente da LBP insiste em que os resultados não podem ser entendidos como muito negativos, sobretudo tendo em conta as características da actividade em causa: “É uma actividade de risco de vida em que as pessoas são colocadas em situações físicas e psicológicas tremendas e desgastantes. O bombeiro, por força da sua actividade, cuida de todos menos de si e por isso é nossa obrigação cuidar deles”. Terminados os rastreios, adianta Jaime Marta Soares, a ideia é que o programa avance para uma segunda fase de “divulgação de informação sobre alimentação e vida saudável”.

(Fonte: Público)

 




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).