Madeira: Número de desalojados em São Vicente sobre para 40

0

Imagem/TVI24

O presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Jorge Romeira, disse hoje que há 27 pessoas desalojadas devido às chuvas que se abatem desde a noite de segunda-feira neste concelho madeirense, «mas não há vítimas pessoais».

O número de pessoas desalojadas devido às fortes chuvas em São Vicente, na Madeira, aumentou para 40, encontram-se todas no Quartel dos Bombeiros Voluntários de São Vicente e Porto Moniz.

«As pessoas estão aqui mais por precaução e não porque tenhamos muitas casas atingidas aqui em São Vicente», revelou aos jornalistas, no local, o secretário regional dos Assuntos Sociais, Francisco Ramos.

O secretário, que detém também o pelouro da Protecção Civil, adiantou que o ribeiro onde ocorreu o transbordo de águas que atingiram várias habitações e provocaram desalojamentos «já foi desobstruído».

«As pessoas estão aqui [no quartel] em segurança, estamos a tratar de alojá-las até que possam regressar às suas casas numa unidade residencial de São Vicente. Vão almoçar e já providenciámos que seja servido um almoço quente», referiu.

Segundo o responsável, os concelhos mais afectados são Santana, São Vicente, Porto Moniz e Porto Santo. São Vicente é o que está neste momento a ocupar mais as autoridades.

«Estamos em alerta, estamos com todos os meios da Protecção Civil em articulação com todas as estruturas do governo e câmaras municipais, PSP e empresas privadas, nomeadamente a Empresa de Electricidade da Madeira», acrescentou.

Francisco Ramos informou que o estado de saúde das cinco pessoas feridas na segunda-feira na sequência de uma derrocada na Ribeira da Janela, no concelho do Porto Moniz, está a evoluir favoravelmente.

Cristina Santos, uma das desalojadas do sítio do Pé dos Passos, no município vizinho de São Vicente, disse à agência Lusa que nunca viu «uma coisa assim».

«Estava na janela e vi aquilo [a derrocada] vir por ali abaixo mesmo em frente da minha casa com toda aquela água, fugi e aqui estou mas preferia ter ido para a casa do meu pai», contou.

As fortes e constantes chuvas causaram em diferentes zonas da ilha várias derrocadas e enxurradas de águas, lamas, pedras e troncos de árvores, o que provocou inundações e danos em várias habitações e campos agrícolas e o arrastamento de várias viaturas.

Uma derrocada de grandes dimensões na estrada do sítio do Calhau – na marginal de São Vicente – impede a passagem viária desta vila para o Seixal e Porto Moniz.

FONTE: SOL

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.