Investiram-se milhares de euros em intenção de candidatura que “para já, ficam na gaveta”, diz Presidente da Federação de Bombeiros de Évora (c/som)

0

O Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, havia anunciada no primeiro trimestre de 2016 que as Associações de Bombeiros iriam ter acesso a fundos comunitários para procederem à requalificação de quartéis e renovação do parque de viaturas de combate a incêndios.

No distrito de Évora apenas o quartel de Vendas Novas será alvo de requalificação e uma viatura, aparentemente, para Montemor, ainda assim ficam as intenções que terão demonstrado outras Corporações, segundo refere o Presidente da Federação de Bombeiros de Évora.

A Rádio Campanário falou com o Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que nos disse ter sido determinado por si, que todas as candidaturas apresentadas “que viesse a ter mérito, seriam todos apoiados”, acrescentando ainda que “era previsível um investimento de 7 milhões de euros de fundos comunitários, e atingimos os 26 milhões de euros”.

“Foram 68 quarteis”, segundo Jorge Gomes, que estão destacados para remodelação e diz ainda que houve a abertura de um segundo concurso que visa a aquisição de equipamento de combate a incêndios florestais, através da aquisição de viaturas, onde tiveram 188 candidaturas e “69 tiveram um mérito mínimo e que vão ser os que vão ser entregues”, atingindo o valor de 7 milhões de euros.

A RC falou ainda com Inácio Esperança, Presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Évora, começou por indicar que a Corporação de Vendas Novas viu a sua pré-candidatura ser aprovada e em termos de viaturas, consoante palavras do Secretário de Estado, “tudo iria fazer para que pelo menos para Montemor viesse uma das viaturas”.

Segundo Inácio Esperança “existiam 6 intenções de candidatura a quarteis no distrito e existiam 8 candidaturas a viaturas”, acrescentando que “é manifestamente insuficiente para aquilo que é necessário”.

Na opinião do Presidente da Federação, o problema é que “50 milhões de euros não chega sequer para as necessidades de ¼ do pais” em termos de remodelação de quarteis de viaturas. Inácio Esperança menciona ainda que a Liga e as Federações de Bombeiros têm feito pressão no sentido de ser criado um fundo de reequipamento “com outras verbas, que não a dos fundos comunitários”, indicando que “faz sentido criar um plano B para reequipar os corpos de Bombeiros que vão subsistir”.

Inácio Esperança menciona ainda que nas Corporações de Mourão, Estremoz, Vila Viçosa, Viana do Alentejo, Mora havia intenção de candidatura e que não chegaram a poder candidatar-se porque “não há fundos, e não vale a pena estar a fazer investimentos de monta que depois nem sequer são apreciadas”.

A terminar as suas declarações, diz ainda que “quem fez projeto, investiu milhares de euro (…) mas que, para já, ficaram na gaveta”.

 

Rádio Campanário

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.