INEM: 3 mil doentes para a Via Verde do AVC em 2012

0

Helicóptero INEMMais de 3.000 casos de Acidente Vascular Cerebral foram encaminhados em 2012 para a Via Verde do AVC, que em seis anos possibilitou um “melhor tratamento” a mais de 14.000 pacientes, anunciou hoje o INEM.

De acordo com o Instituto Nacional de Emergência Médica, no ano passado, 3.042 casos de AVC foram encaminhados para a Via Verde, mais 160 do que em 2010.

Os distritos de Porto e Lisboa foram onde estes encaminhamentos tiveram maior incidência, com 720 e 629 casos, respectivamente, seguindo-se Braga (264) e Setúbal (252).

Na grande maioria dos casos (2.097 situações), os meios de socorro chegaram ao local em menos de 20 minutos.

Os Hospitais de São José (271), Braga (242), São João (230) e Santa Maria (178) foram os que receberam o maior número de casos encaminhados pela Via Verde do AVC.

As estatísticas do INEM indicam que, na maioria dos casos, foi preciso passar entre 30 minutos a uma hora desde o início dos sintomas para que fosse dado o alerta para o 112.

O instituto alertou que “as primeiras três horas, após o início dos sintomas de AVC, são essenciais para o socorro da vítima, pois é esta a janela temporal que permite que a instituição dos principais tratamentos seja eficaz”.

Para melhorar esta situação, “é essencial que a população saiba quais os sinais de alerta da doença e como utilizar o 112”.

Através do Número Europeu de Emergência, o INEM coordena a assistência e encaminha as vítimas de AVC para os hospitais adequados através da Via Verde, permitindo “um tratamento mais rápido e eficaz”.

Falta de força num braço, boca ao lado ou dificuldade em falar são sinais de alarme que podem indicar a ocorrência de um AVC.

“Se estes sinais forem reconhecidos a tempo, ligar 112 é a forma mais adequada de o doente ser tratado, pois a rápida actuação médica especializada é vital para o sucesso do tratamento e posterior recuperação do doente”, referiu o INEM.

Estão definidos um conjunto de critérios clínicos para a admissão nesta Via Verde: idade, tempo de evolução dos sintomas e não ter sequelas de AVC anterior.

O Acidente Vascular Cerebral continua a ser uma das principais causas de morte em Portugal, sendo também a principal causa de morbilidade e de potenciais anos de vida perdidos no conjunto das doenças cardiovasculares.

Segundo os especialistas, por hora, morrem dois portugueses devido a esta doença “prevenível e tratável”.

FONTE: SOL

 

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.