Incêndios no Chile já mataram quatro bombeiros (com galeria fotográfica)

0

(REUTERS/Pablo Sanhueza)

São já dez os mortos provocados por uma vaga de incêndios violentos que avançam pelo centro e sul do Chile, transformando esta vaga na maior catástrofe florestal da história do país.

O Portal Bombeiros.pt tem acompanhado esta forte vaga de incêndios através das múltiplas agências internacionais e sabe que os incêndios, alimentados pelos fortes ventos, as altas temperaturas e uma seca persistente, devoraram mais de 273.000 hectares em sete regiões do país até agora, provocando uma tragédia ambiental sem precedentes e obrigando milhares de pessoas a deslocarem-se para locais seguros enquanto as suas povoações eram totalmente arrasados pelos incêndios.

O bombeiro Juan Eduardo Bizama faleceu ontem (dia 26) na localidade de Niquén, na região do Bio Bío (550 km ao sul de Santiago), quando uma árvore caiu em cima do veículo que conduzia. O seu acompanhante ficou gravemente ferido, segundo informaram as autoridades regionais.

Além de Bizama, morreram um bombeiro voluntário, dois polícias, três brigadistas (bombeiros florestais) e três habitantes de zonas afectadas, segundo dados do governo. No Chile, todos os bombeiros são voluntários, excepto os florestais.

Ainda há 53 incêndios activos, 48 foram controlados e dois estão extintos, segundo o último relatório do Órgão Nacional Florestal (Conaf).

De acordo com o Ministério do Interior, a superfície afectada pelos incêndios ultrapassa em mais de 2.000% o registo da época passada.

Ajuda internacional

Mais de 4.000 pessoas, entre bombeiros, brigadistas, polícias, detectives, funcionários públicos, militares e civis trabalham nas operações para combater as chamas, tendo já havido o reforço de meios através da ajuda internacional, nomeadamente especialistas franceses no combate ao fogo e brigadistas colombianos que chegaram ao Chile nesta quinta-feira.

“Agradecemos à Colômbia por esta solidariedade. Nós comunicámos com outros países: Uruguai, Argentina, Peru, Estados Unidos, Suécia e Canadá também nos ofereceram colaboração”, disse o chanceler chileno Heraldo Muñoz. Espera-se, entretanto, que um grupo de voluntários mexicanos também chegue ao Chile no sábado para ajudar nas operações.

Um avião Supertrank, com capacidade para mais de 73.000 litros de água e alugado por uma fundação privada americana, operou ontem o seu segundo dia de trabalho para extinguir as chamas nas zonas mais atingidas.

Espera-se também a chegada de ajuda proveniente do Brasil, da Espanha e da Rússia.

 

 

 




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).