Idoso morre ao lado de quartel: bombeiros rejeitam culpas

1
Ambulância INEM

Imagem Ilustrativa

Os bombeiros de Amarante rejeitaram hoje qualquer responsabilidade no caso da morte de um idoso, ocorrida na terça-feira, próximo do quartel, que não foi socorrido por aquela corporação por não haver uma ambulância disponível.

O INEM (Instituo Nacional de Emergência Médica) acabou por recorrer à corporação de Vila Meã, cujos meios demoraram cerca de 20 minutos a chegar ao local da ocorrência, onde confirmaram o óbito.

De acordo com um comunicado dos bombeiros de Amarante, enviado hoje à agência Lusa, a corporação já tinha três viaturas em ocorrências de emergência, quando foram solicitados por uma chamada do INEM.

A viatura de Suporte Básico de Vida do INEM encontrava-se a fazer uma revisão técnica, «autorizada e agendada» por aquele instituto.

Os bombeiros recordam que as saídas para emergência hospitalar são da responsabilidade do INEM, através do CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes).

«Não entendemos assim de quem são as falhas e que falhas referenciadas nos órgãos de comunicação social», lê-se no documento.

A corporação acrescentou que continua com a certeza de que os seus «objetivos serão sempre o empenho e dedicação constantes, especialmente nas situações de emergência».

No dia da ocorrência, o comandante da corporação, Rui Ribeiro, disse à Lusa que, quando os bombeiros foram solicitados pelo CODU, cerca das 13:00, não foi dada informação sobre a localização.

«Só ficámos a saber onde era quando vimos a viatura de emergência médica no lar aqui ao lado», esclareceu.

FONTE: TVI

 

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

  • Eu mesmo…

    no
    meio do que foi dito só falta dizer aquilo que nós sabemos mas que toda
    gente deveria saber… ou como diz o Vitor Pereira “da truu!”… que é o
    seguinte, uma vez que o hospital de Amarante, devido a não ter as
    valências que necessita relativamente a especialidades médicas ou de
    diagnóstico, necessita diariamente de transferir doentes para a unidade
    de Penafiel ou outras unidades centrais(Porto etc.). Quem fazia as
    transferências inter-hospitalares eram os bombeiros de Amarante, Vila
    Meã, Lixa e cruz Vermelha de Amarante. À cerca de 3 meses quem faz todas
    as transferências são os bombeiros de Amarante…. ora para ganharem
    mais dinheiro deixam morrer as pessoas a porta do quartel porque os
    meios (materiais e humanos) andam a fazer os ditos transportes e
    transferenências (mais lucrativos) e o socorro à população fica
    esquecido… mas atenção, não julguem os BOMBEIROS pelos dirigentes! Os
    BOMBEIROS daquela instituição prestam um serviço digno e profissional e
    que todos devemos louvar, o que está mal é quem a dirige só pensar na
    questão financeira e a custa disso pederem-se mais vidas…