Grécia: Número de vítimas mortais e feridos continua a subir

0

Reuters

O balanço de vítimas mortais nos incêndios da Grécia não pára de aumentar. De acordo com as autoridades são 74 as vítimas, num fogo que teve início na localidade de Mati. O número de feridos é de 187, entre os quais se contam 23 crianças. É a pior tragédia a afetar a Grécia nos últimos onze anos.

É um número que não se afigura definitivo. Os arredores de Atenas conheceram esta semana uma jornada de incêndios devastadores, que mataram pelo menos 74 pessoas. O balanço é dado pelo porta-voz dos bombeiros, Stavroula Maliri.
É a pior tragédia a afetar o país helénico, desde 2007, quando dezenas de pessoas perderam a vida em incêndios na península do Peloponeso. Os incêndios começaram em Mati, nos arredores de Atenas, e levaram a Grécia a pedir ajuda internacional.
Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, falou numa tragédia sem precedentes, declarando três dias de luto nacional. “A Grécia está a atravessar uma tragédia sem palavras”.
Nas primeiras horas desta terça-feira começaram a ser encontrados os primeiros corpos de vítimas. O responsável pela Cruz Vermelha grega, Nikos Economopoulos, disse à imprensa que foram encontrados 26 corpos num local perto da praia, explicando que o grupo procurou a fuga às labaredas.
Fuga sem sucesso
A localidade de Mati foi uma das mais afetadas pela tragédia dos incêndios na Grécia. Muitas pessoas foram surpreendidas pela velocidade das chamas, apesar de estarem a apenas alguns metros da praia, revelaram os bombeiros.
Um dos sobreviventes relatou um episódio de fuga para o mar. “Fomos para o mar por causa das chamas que nos perseguiam até à água. Queimaram as nossas costas e mergulhámos imediatamente”.
Mais de 700 pessoas foram resgatadas do mar através de barcos da Guarda Costeira.
A Polónia anunciou que duas das vítimas são polacas, tratando-se de uma mãe e um filho. Os hospitais militares da zona estão em alerta total, com várias pessoas a chegarem para ser assistidas, de acordo com uma fonte do Governo grego.

As autoridades revelaram também que a vítima mortal mais nova é um bebé de apenas seis meses, que morreu por inalação de fumo.

Guarda Costeira monitoriza costa
Devido à fuga de centenas de pessoas para o mar, a costa grega está a ser monitorizada por embarcações da Guarda Costeira e 30 barcos privados, que procuram ainda sobreviventes que fugiram das chamas na zona de Ática, revelou o governo grego.

Num comunicado, o executivo helénico explicou que mais de 700 pessoas foram retiradas de Mati. “A Marinha também contribuiu com uma fragata, dois barcos de escalada, três helicópteros e três navios de guerra para conflitos assimétricos”, admite Dimitris Tzanakopoulos.

“A situação ainda é crítica. A rápida escalada dos fogos, em 14 localizações simultâneas, três frentes paralelas em Ática, assim como a velocidade dos ventos, que chegou ao nível 9 na escala de Beaufort, criaram condições operacionais extremamente difíceis para as forças aéreas e terrestres”.

O Governo grego anunciou que vão ser enviados para Rafina cerca de centena e meia de engenheiros para ser realizado o levantamento dos danos causados pela maior tragédia a afetar a Grécia desde 2007.

Para além da operação de combate aos incêndios nos arredores de Atenas, há também um plano de emergência paralelo que mobiliza a Polícia e junta os ministérios da Administração Interna, Saúde, Transportes, Defesa, Marinha e Ambiente.

Portugal envia ajuda internacional
O ministro da Administração Interna revelou esta terça-feira que Portugal vai enviar um contingente de 50 bombeiros profissionais para combater os incêndios na Grécia, depois de transmitir as condolências ao Governo e povo grego.
Depois de solicitada ajuda pela Grécia, Portugal vai disponibilizar apoio terrestre, já depois da ajuda prestada à Suécia, que também está a sofrer com o drama dos incêndios. Espanha, Itália, Croácia e França também já acederam ao pedido de ajuda grego.

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrageiros, revelou que não existem, até ao momento, vítimas portuguesas a registar.

RTP



Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.