Governo conclui que “é possível” usar meios aéreos na Madeira

0

Relatório já está nas mãos do executivo madeirense, que vai criar “de imediato uma estrutura de missão”.

A utilização de meios aéreos no combate a incêndios em áreas florestais e urbanas na Madeira “é possível, tendo em conta as especificidades do território”, concluiu o relatório do Ministério da Administração Interna enviado esta terça-feira ao Governo desta região.

“O relatório do Ministério da Administração Interna, recebido hoje, 20 de Junho de 2017, indica que o uso de meios aéreos em áreas florestais e em áreas urbanas na Madeira é possível, tendo em conta as especificidades do território”, diz o comunicado divulgado pela secretaria regional da Inclusão e Assuntos Sociais madeirense que tutela a área da Protecção Civil.

A 10 de Agosto do passado, na sequência dos incêndios que fustigaram a Madeira, provocando três mortos, um ferido grave, centenas de desalojados e prejuízos materiais avaliados em 157 milhões de euros, o Conselho do Governo Regional da Madeira aprovou uma resolução (nº 510/2016), na qual solicitou ao Governo da República a elaboração de um estudo sobre a viabilidade do uso de meios aéreos na Madeira.

A avaliação deveria ser concluída “no prazo de 120 dias, acerca das vantagens e dos inconvenientes do uso de meios aéreos em áreas florestais e em áreas urbanas na Região Autónoma da Madeira.”

O executivo madeirense anunciou ter recebido o relatório, o qual aponta ser possível o uso deste tipo de meios e anuncia que vai criar “de imediato uma estrutura de missão”.

Esta deve apresentar em 60 dias “uma proposta de implementação destes meios de combate a incêndios, onde custos, recursos e acções a desencadear estarão claramente identificadas”.

No mesmo documento, o governo insular liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque, complementa que esta proposta também tem de conter “um cronograma de ações a desencadear” para que estejam “reunidas as condições tidas por necessárias e que constam das recomendações / conclusões do referido relatório”.

“Com os elementos que forem propostos pela estrutura de missão, o Conselho do Governo deliberará sobre esta matéria”, vinca.

O Governo do arquipélago recorda que está em funcionamento na Madeira desde 15 de Junho e até 15 de Outubro o Plano Operacional de Combate a Incêndios Florestais (POCIF).

No âmbito deste plano, está a ser efectuado o patrulhamento e vigilância das serras da região, contando com a colaboração de todas as corporações de bombeiros, polícia florestal e GNR.

“No total, são 180 pessoas, distribuídas por 12 equipas, que de forma permanente (24horas /dia) terão como missão patrulhar, detectar e extinguir focos de incêndio”, refere.

Também menciona que em termos preventivos, foram limpos “cerca de 10 hectares de terreno nas serras da Madeira, e os recursos dos bombeiros foram reforçados”, estando em curso um concurso internacional para aquisição de 18 viaturas.

RR




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.