Governo autoriza despesas para “reforço” do SIRESP e de recursos humanos

0

O executivo anunciou o recrutamento e mobilização de mais 600 militares para a GNR e mais 200 para as Forças Armadas.

Este investimento serve para ajudar as duas forças na prevenção e combate aos incêndios florestais e foi autorizado esta quinta-feira em Conselho de Ministros. O Governo determinou também uma parcela para o “reforço das capacidades” do SIRESP.

Pedro Siza Vieira, ministro-adjunto do Governo, anunciou no final da reunião que o Governo “decidiu um conjunto de autorizações de despesa precisamente para permitir o reforço de meios e de recursos humanos”, uma deliberação que tem “efeitos imediatos”.

este recrutamento haverá um reforço de 500 elementos do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) e de novos 100 elementos para o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), ambos da Guarda Nacional Republicana.

Atualmente, o GIPS conta com 600 elementos. Para juntar à unidade de intervenção da GNR mais 500 elementos será feito um recrutamento e ação de formação a nível interno.

Quanto às Forças Armadas, foi também decidido a contratação de mais 200 efetivos “em regime de voluntariado e em regime de contrato”.

Tal como é referido no comunicado, o ministro-adjunto explicou durante a conferência de imprensa que foi autorizado um reforço dos equipamentos, incluindo a autorização de despesa para “reforço das capacidades do SIRESP” (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal).

De igual forma, o Estado autorizou as despesas para a aquisição de novos fardamentos e equipamentos de proteção individual, ou ainda a compra de veículos de transporte e combate aos fogos.

O Governo prevê também custear a aquisição de equipamentos para a engenharia militar e o reforço da vigilância aérea da Força Aérea.

Foi ainda autorizado pelo Governo o início de “empreitadas de obras públicas, a realizar no ano de 2018” para a reconstrução de habitações destruídas pelos incêndios de 15 de outubro de 2017 em Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Santa Comba Dão, Vouzela, Tondela, Tábua, Mortágua e Penacova.

No total, são cerca de 622 milhões de euros previstos pelo Orçamento do Estado para 2018 para resolver questões pendentes dos incêndios de 2017 e preparar a próxima época de maior risco de incêndio.

Questionado sobre a intervenção da Força Aérea no combate aos fogos, o ministro referiu que o Conselho de Ministros de 21 de outubro deliberou que cabe a esta força ” assumir a gestão e o comando centralizado dos meios aéreos de combate aos incêndios florestais”.

No entanto, a medida não tem “impacto imediato”, numa altura em que decorrem conversações entre o Ministério da Administração Interna e a Força Aérea Portuguesa, no sentido de avaliar a forma e o momento dessa transição.

Imediato será o “envolvimento acrescido em missões de patrulhamento e de prevenção”, tendo sido reforçada, por decisão do Conselho de Ministros, a aquisição de meios para vigilância aérea.

RTP




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.