Fogo continua ativo no Gerês. Nevoeiro e fumo impedem uso de meios aéreos

0

Mais de 100 homens, apoiados por mais de 30 viaturas combatem o incêndio.

Mais de uma centena de operacionais combatem esta segunda-feira o incêndio que desde sábado lavra no Parque Nacional Peneda-Gerês, numa zona de difícil acesso e onde o nevoeiro e o fumo do fogo estão a impedir o uso de meios aéreos.

Num ponto de situação feito à agência Lusa pelas 08h20, o comandante Paulo Santos, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), disse que a situação deste incêndio no Lindoso permanece “inalterada relativamente à noite de domingo” e que o fogo “continua a lavrar com muito fraca intensidade em zona de escarpas e fragas”

“Estamos a falar de uma linha com pequenos focos de incêndio, em zonas inacessíveis e, como não sabemos o comportamento que esses pequenos focos podem provocar, não temos o incêndio dominado”, disse o responsável, adiantando que no terreno estão “mais de 100 homens, apoiados por mais de 30 viaturas”.

Paulo Santos explicou que as viaturas “não conseguem aceder aos locais do incêndio”, que terá de ser extinto “por meios terrestres, com equipas apeadas, como as que ainda durante dia de ontem [domingo] foram largadas no terreno com recurso a helicópteros, que os colocaram o mais próximo possível” do fogo.

“São locais quase inacessíveis, [que estão] a entre 800 a 1.000 metros de altitude”, acrescentou.

O responsável adiantou também que “grande parte litoral do território está sob nevoeiros matinais” e que estas neblinas, aliadas ao fumo do próprio incêndio que se acumula nos vales, tem impedido o uso de meios aéreos esta manhã.

O fogo, em Lindoso, no concelho de Ponte da Barca, chegou a ser combatido por 10 meios aéreos durante a tarde de domingo. Pelas 08:40, segundo a página da ANEPC, mobilizava 108 operacionais, apoiados por 35 veículos.

O secretário de Estado da Conservação da Natureza revelou no domingo que o incêndio no Parque Nacional Peneda-Gerês já tinha consumido cerca de 200 hectares, mas que os principais esforços de proteção se centram na Mata do Cabril.

“Estamos a fazer tudo para que não chegue à zona de proteção total que é a Mata do Cabril. Aí, sim, temos enormes valores ambientais. É o ‘ex-libris’ daquele parque nacional, que é o único que temos”, disse no domingo o responsável, em declarações à agência Lusa.

Do lado espanhol, dados da Junta da Galiza apontam para 400 hectares ardidos.

No combate às chamas em Lindoso, no sábado, um piloto português morreu e um piloto espanhol ficou gravemente ferido quando o avião ‘Canadair’ português em que seguiam se despenhou em território espanhol, a cerca de dois quilómetros da fronteira.

O copiloto do avião ‘Canadair’ está “estável e fora de perigo”, segundo fonte do hospital de Braga.

SO (APN/AXYG) // SB

Lusa/fim

Fonte: Correio da Manha

About author

Paulo Reis

Paulo Reis

É natural e residente em Esmoriz, a sua vida profissional está ligada à indústria automóvel nestes últimos 25 anos como CAD Designer. É um dos fundadores da Rádio Voz de Esmoriz, onde apresentou o programa de rádio “Bombeiros em Missão”. Está ligado desde tenra idade aos Bombeiros de Esmoriz onde fez parte da orquestra do Grupo Cénico e hoje, ocupa o posto de Subchefe. Foi responsável pelo Grupo de Comunicação & Imagem dos BV Esmoriz e integrou a equipa do portal bombeirosdeportugal.com. É o responsável do Departamento de Relações Públicas do portal Bombeiros.pt