Federação de Bombeiros de Viseu considera “atentatório” da sua dignidade relatório sobre incêndio florestais

0

bombeiros[1]_hdrA Federação de Bombeiros do Distrito de Viseu considerou nesta terça-feira “atentatório da dignidade e do bom nome dos bombeiros” o relatório sobre os incêndios florestais em 2013, nos quais morreram oito elementos, quatro deles do distrito. Num comunicado, aquela estrutura classificou o documento como “insultuoso” para o desempenho dos bombeiros e para o “seu esforço levado ao limite, e pouco rigoroso pelas omissões que revela”.

Os bombeiros devem ter melhor formação “em matérias relacionadas com o comportamento do fogo”, segundo a primeira parte do relatório sobre os incêndios florestais em 2013, disponibilizada pelo Ministério da Administração Interna (MAI) e que pode ler aqui.

Na primeira parte do relatório encomendado pelo MAI, a equipa do investigador Xavier Viegas, da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra, sublinha que os bombeiros devem ter formação “em especial em situações extremas”. O documento acentua que mais formação permitirá aos bombeiros “assegurar uma boa avaliação das condições de perigo e do cumprimento dos procedimentos de segurança no combate ao fogo”.

A Federação de Bombeiros do Distrito de Viseu considera “o relatório ferido de morte na sua credibilidade e profundamente afectado na sua autoridade, no que toca à falta de formação em comportamento do fogo, na medida em que o seu autor é parte interessada na formação, que agora reclama em falta, e que ministra e se disponibiliza a ministrar, nas instalações da ADAI, associação integrada no Centro de Estudos de Incêndios Florestais, de que o autor do relatório é também coordenador e principal responsável”.

Aquela estrutura alerta, ainda, a “incompatibilidade de interesses que se verifica quando, na mesma pessoa, coincide o autor de um relatório (com tais envolvências e consequências) e o principal responsável pela formação que o relatório identifica em falta”.

O comunicado considera, também, “impróprio o duplo critério adoptado no relatório ao não saber identificar os autores de algumas decisões tomadas nos postos de comando, mas, em paralelo, ser rápido a nomear os bombeiros que desrespeitaram as ordens e que, infelizmente, já não se podem defender e/ou justificar”.

 

(Fonte: Público)

About author

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).