“É lamentável o que se passa no sector dos bombeiros”

0

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Ansião, António Neves Marques, afirmou ontem que “é lamentável o que se passa neste sector”. Ao intervir na sessão solene comemorativa dos 55 anos da corporação, o comandante referiu-se “farto de conversa fiada e objectivos abordados” que, em grande parte, “não dignifica a figura do bombeiro voluntário nem das instituições que os suportam”.Ansião

Como habitualmente, Neves Marques aproveita o dia de aniversário da corporação para tecer “meros desabafos”. “Continuamos a ser tratados como cidadãos de segunda, mas quando existe algum interesse somos efectivamente de primeira, mas depois rapidamente se esquecem de nós”, realçou.

No seu entender os “homens e mulheres” que integram os corpos de bombeiros “continuam a ser desprezados e a verem os seus direitos esvaziados” no entanto “as suas obrigações são cada vez mais exigentes” sendo que “quem exige não conhece minimamente as suas qualidades, a sua dedicação e pouco sabe o que é voluntariado”. “Só poderá exigir quem conhece e só poderá comandar quem tem gente para comandar”, frisou.

Fazendo referência à nova legislação, Neves Marques afirmou que “conseguiram fazer dos comandantes dos corpos de bombeiros voluntários meros funcionários administrativos de mão-de-obra gratuita”, sobretudo, “capaz de fazer quase tudo, até mesmo organizar, dinamizar, motivar, disciplinar, instruir e formar o seu corpo de bombeiros” pois “caso contrário, serão penalizados e responsabilizados pelo não cumprimento das regras instituídas”.

Para aquele comandante, os bombeiros “necessitam de estar permanente apoiados em quem e por quem, efectivamente, esteja preparado e consciencializado para a problemática do socorro e da protecção civil enquanto ela assentar maioritariamente no voluntariado”.

Ainda, na sua intervenção, Neves Marques considerou que “muitas coisas vão ter de mudar sob pena de muitos corpos de bombeiros não terem gente disponível para acorrer a situações de socorro”, adiantando que “a não injecção de bombeiros de terceira classe vai condicionar, no futuro, a operacionalidade dos corpos de bombeiros”. Daí que tenha afirmando que “é urgente alterar a fórmula arranjada para o ingresso nos corpos de bombeiros”.

O discurso de Neves Marques deu o mote para os restantes oradores. Se para Mário Cerol, presidente da federação dos bombeiros do distrito de Leiria, aquele comandante “é extremamente dinâmico e competente com um trabalho meritório que tem de ser reconhecido”, Carlos Guerra, segundo comandante operacional distrital disse para que “não tenha medo de ser incómodo”. “É com um espírito crítico que conseguimos, muitas das vezes, alguma luz ao fundo do túnel”, disse.

Por sua vez, o presidente da direcção da instituição, que preside também à Câmara Municipal, aproveitou para enaltecer o investimento realizado nos últimos sete anos de liderança, e que totalizam mais de quatro milhões de euros.

Segundo Rui Rocha, as prioridades para 2013 vão ser direccionadas para algumas obras de beneficiação e aquisição de equipamentos de protecção individual.

Enaltecendo a “cabal reposta na defesa da guarda do território e das suas gentes” prestada pela corporação, o autarca fez uma alusão à “postura de grande liderança” do comandante Neves Marques.

Para além das tradicionais promoções de bombeiros, com destaque para a passagem de nove estagiários a bombeiros de terceira classe, o comando distinguiu Luís Eduardo Pimenta pela Dedicação e Mérito. Um prémio instituído há quatro anos e que pretende reconhecer a “dedicação e o esforço” do bombeiro que se destacou “dentro e fora da actividade operacional”.

FONTE: Noticias do Centro

 

 

 

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.