Temos dos melhores bombeiros do mundo a salvar vítimas

0

Desencarceramento. Equipa dos Sapadores de Lisboa já ganhou vários títulos mundiais. As suas técnicas servem de exemplo

Com equipamentos pesados, como uma tesoura com 107 toneladas de força, e uma “vítima” a resguardar no local do “acidente”, a equipa atua rapidamente, mas não à pressa, com a disciplina de um formigueiro. Ao fim de 11 minutos, debaixo de uma chuva miudinha, o velho Renault Clio já perdeu boa parte da cobertura e de uma lateral e o “acidentado” foi retirado em segurança. Prova superada, no centro de treinos do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB), em Marvila.

“Demoraram um pouco mais porque estão a demonstrar uma técnica nova”, explica Rui Santos, formador e operacional, tentando disfarçar o sorriso de aprovação. “Podem contar que assistiram a uma estreia mundial”.

Na realidade, quase tudo aquilo a que assistimos teria sido impossível há meia dúzia de anos. Nem os equipamentos nem as técnicas existentes permitiam fazer o mesmo sem gastar, pelo menos, o dobro do tempo. E este bombeiro sabe isso como poucos. Uma das motivações que o levaram a querer treinar recrutas foi o desejo de ver os métodosde desencarceramento evoluírem, para ganhar tempo e eficiência que “fazem toda a diferença” para as vítimas.

“Há muitos anos, estive num acidente em que havia um jovem, uma criança de sete, oito anos. Não o conseguimos tirar a tempo de lhe prestar os cuidados de que necessitava”, lamenta. “E agora, posso dizer que, passados todos estes anos, com os conhecimentos que há, com a forma como evoluímos, aquela criança saía de lá viva. Isso é que nos dá motivação para todos os dias : chegarmos cada vez mais a quem precisa.”

Vice-campeões do Mundo

Lisboa precisa seguramente desta eficácia: todos os anos, entre milhares de pequenos acidentes menores, o RSB responde a pelo menos 400 chamadas – mais de uma por dia -com vítimas encarceradas. A boa notícia é que, quando tudo corre mal, dificilmente os automobilistas poderiam estar em melhores mãos.
A equipa de desencarceramento – boa parte dela constituída a partir de uma “formada” de talentosos estagiários que se destacaram em 2011 – é atualmente vice-campeã mundial de desencarceramento, depois de ter competido com dezenas de formações no Brasil, em outubro. No ano passado, em Portugal, sagraram-se campeões do mundo. O segredo é estarem constantemente a desafiar-se, para encontrarem novas soluções para os problemas. É nas dificuldades que temos de trabalhar”, defende Rui Santos. “Se já fomos bons a fazer uma determinada técnica não vale a pena insistirmos nela durante os treinos.”

Tiago Batista Lopes, segundo comandante do RSB, não esconde a satisfação por ver as técnicas desenvolvidas pela equipa serem disseminadas por outros bombeiros. Não só dentro da corporação – no dia a dia estão distribuídos por 10 quartéis – como entre outras forças. “Isto pega-se. Começamos a ver outros bombeiros, nomeadamente voluntários, a usarem as nossas técnicas.” Até já existe uma chamada “técnica de Lisboa” que já está a ser treinada noutros países.

Emoção e auxílio ao próximo

Apesar de serem encarados como uma geração de ouro, estes bombeiros não diferem dos outros quando falam dos motivos que os levaram a escolher aquela carreira. Quase todos os elementos da equipa – incluindo o técnico Rui Mexia, assumido “veterano” do grupo – assumem que a adrenalina é uma das grandes motivações: “Todas as crianças querem ser bombeiros, não é? Mas, quando se vai para bombeiro, não se sabe bem o que nos espera. Depois de cá se estar, absorve-nos. Desculpe a expressão: é quase como uma droga.”

“Uma das grandes motivações é o nosso dia-a-dia nunca ser igual. Todos os dias temos situações diferentes. E em todas elas temos de adaptar a nossa forma de trabalhar”, confirma Fernando Mafra, da equipa técnica.

A outra explicação unânime é a vontade de fazer a diferença pelos outros. Um desejo que muitas vezes é reforçado por uma experiência pessoal: “A minha motivação pessoal foi espoletada pelo episódio de um AVC com o meu pai, Queria ajudar e não sabia como”, conta Diogo Lourenço, também técnico da equipa e socorrista numa das manobras.

Empatia também implica frieza

Conseguir separar esta vontade de ajudar quem está em sofrimento das emoções que podem toldar a atuação no terreno é uma das tarefas mais difíceis de quem lida com vítimas de acidentes. Mas é uma tarefa que, diz Miguel Duarte, chefe da equipa, é encarada como fazendo parte do serviço.

“Nós vamos tão formatados para um determinado trabalho que fazemos as coisas de uma forma quase automática”, diz. “Obviamente dando todos os cuidados possíveis à pessoa em causa ou às pessoas em causa, mas, a parte emocional, não podemos deixar que ela tome conta de nós, senão depois a parte racional deixa de funcionar”, explica. “Muitas vezes só depois, no debriefing, já no quartel, é que começamos a falar e começamos realmente a ter consciência verdadeira do estado em que a pessoa estava”.

Isso não significa que a vítima não receba atenção. Pelo contrário: uma das características inovadoras dos métodos que o RSB tem vindo a desenvolver é fazer desta o foco principal de qualquer operação de desencarceramento.

“Os seres humanos, quando chegam à idade adulta, não estão habituado a a ter ajuda. Estão habituados a ter eles próprios o papel de cuidadores. É muito importante que nunca cair no erro de ser condescendente com aquela pessoa”, diz Ricardo Couto, socorrista da equipa.

Uma das missões do socorrista, diz, é “ir explicando à pessoa tudo o que está a acontecer” durante a operação, para evitar que a parafernália da operação aumente os níveis de stress da vítima.

E nesse capítulo, diz, sente-se “privilegiado de trabalhar com os melhores bombeiros que já vi até hoje.

Aqui não há campeões do mundo, apenas bombeiros bombeiros que estão constantemente a tentar evoluir e melhorar as suas técnicas”, conta. A comunicação, durante a missão, é permanente: “Estando eu dentro da viatura, graças a eles, tenho sempre noção do que se está a passar à minha volta. Consigo passar esse feedback para a vítima, explicar-lhe o que está a acontecer. E esse conforto emocional é muito importante.”

DN




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.