Corpo de octogenário foi resgatado de uma falésia na Madeira

0

(imagem ilustrativa)

A capitania do Porto do Funchal confirmou ter resgatado o corpo do octogenário que caiu, terça-feira, de uma falésia com uma altura de 300 metros, na freguesia da Ponta do Pargo, no concelho da Calheta.

Em notícia publicada hoje no jornal SAPO 24, é dada conta de uma nota informativa emitida na noite de ontem pela autoridade marítima regional que refere que várias entidades estiveram envolvidas no “apoio para a extração por via marítima da vítima e da equipa de resgate”, após um alerta dado ao início da tarde de terça-feira.

A mesma informação refere que o Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira ativou a sua unidade de meios de socorro, “com recurso ao drone” para localizar o corpo “a cerca de 300 metros da base da falésia”, acrescentando que, “tendo chegado junto da vítima, esta não apresentava sinais vitais” e o resgate do corpo só pode ser feito por via marítima.

Para o efeito foi ativada uma embarcação da capitania do porto do Funchal, o navio da Marinha Portuguesa ‘NRP Douro’, e do Corpo Voluntário de Salvadores Náuticos (SANAS), tendo estado envolvidos na operação também elementos da Polícia Marítima por terra e por mar, nomeadamente do grupo de mergulho forense.

“Após manobras de complexidade pela equipa de resgate do corpo de bombeiros Voluntários da Calheta (zona oeste da ilha da Madeira), considerando a localização em causa, sensivelmente a meio da falésia, assim como as realizadas pelas equipas de extração marítima”, menciona a mesma informação, o corpo acabou por ser resgatado na tarde de hoje.

O comando local da Polícia Marítima tomou conta da ocorrência, conclui a informação.

Terça-feira, os bombeiros da localidade haviam confirmado à agência Lusa a morte do homem de 82 anos, natural da freguesia da Ponta do Pargo e que decorriam as manobras com uma equipa de resgate de montanha, constituída por 10 homens, envolvida na operação de resgate do corpo.




Sobre quem enviou a noticia

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).