Bruxelas vai prestar apoio a Portugal no combate ao incêndio de Oleiros

0

As autoridades europeias estão a acompanhar a evolução do incêndio em Castelo Branco. O satélite Copernicus entrará agora em ação para monitorizar a propagação dos fogos em apoio da Proteção Civil e dos bombeiros em Portugal.

A União Europeia respondeu ao pedido de  Portugal para prestar apoio ao combate ao incêndio de Oleiros com Copernicus satellite maps.

De acordo com Janez Lenarčič, Comissário europeu da proteção civil e da representação, as autoridades europeias estão a acompanhar a evolução do incêndio em Castelo Branco. O satélite Copernicus entrará agora em ação para monitorizar a propagação dos fogos em apoio da Proteção Civil e das autoridades competentes em Portugal.

“Os nossos pensamentos estão com todos os afetados. A União Europeia está pronta para prestar assistência”, escreveu Lenarčič, este domingo no Twitter.

O incêndio que começou sábado em Oleiros, e que vitimou um bombeiro e fez seis feridos, alastrou para uma zona com pequenas aldeias nos concelhos da Sertã e Proença-à-Nova. revelou o comandante Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco.

“O incêndio que teve uma propagação violentíssima desde o início e, apesar de termos registado que os trabalhos de combate estavam a correr muito favoravelmente, fruto de muitas projeções que aconteceram pela intensificação do vento, não foi possível na fase inicial dominar este incêndio”, referiu, em conferência de imprensa, o comandante Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco, Luís Belo Costa.

Deste fogo há a registar a morte de um bombeiro, bem como seis feridos, sendo quatro ligeiros (um civil e três bombeiros) e dois feridos graves, disse Luis Belo Costa.

O comandante admitiu que existem várias habitações na linha de fogo por esta ser uma zona com muitas aldeias dispersas o que, acrescentou, “têm trazido preocupação acrescida na sua defesa”. “Há habitações atingidas pelas chamas. Mas é cedo para fazer um levantamento. Durante a progressão do incêndio houve pessoas que foram deslocadas das suas habitações, mas a maioria já regressou às habitações”, referiu.

Belo Costa considerou, cerca das 10:00 em declarações transmitidas pelas televisões, que “ainda não é fácil prever em quanto tempo demorará a dominar [o incêndio] porque o trabalho é extraordinariamente difícil nesta área do território”, vincando a “ambição de o conseguir o mais rapidamente possível”.

Um total de 644 operacionais e nove meios aéreos combatem esta manhã o incêndio que começou no sábado em Oleiros, distrito de Castelo Branco, e se alastrou aos concelhos vizinhos de Proença-a-Nova e Sertã.

O presidente da Câmara de Oleiros, Fernando Marques Jorge, afirmou à Rádio Observador que a situação está a evoluir positivamente no concelho, com várias maquinas de arrasto a operar, mas admite que isso não esteja a acontecer nos concelhos limítrofes.

“Neste momento [07:45] temos 207 veículos com 644 operacionais. Houve um reforço significativo durante a noite com 11 grupos terrestres para reorganizar o teatro de operações, visto que o perímetro já é demasiado extenso”, disse à agência o comandante Carlos Pereira, oficial de operações do Comando Nacional de Emergência e Proteção Civil.

Carlos Pereira afirmou que o incêndio que começou num pinhal “continua a evoluir com alguma intensidade”, tem três frentes ativas e já chegou aos concelhos de Proença-a-Nova e Sertã, também no distrito de Castelo Branco.

O comandante referiu ainda que não tem conhecimento que estejam povoações em risco: “Que nós tenhamos conhecimento, não. Durante a noite foram retirados alguns populares de algumas habitações isoladas, por precaução”. Quanto aos danos materiais, o comandante disse que ainda não sabe a dimensão dos danos nessas habitações.

A notícia da morte do bombeiro, Diogo Dias, começou por ser avançada por vários meios de comunicação e foi confirmada ao final da noite pelo presidente da Liga dos Bombeiros, Jaima Marta Soares, em declarações à Rádio Observador. O bombeiro, revelara antes Marta Soares ao Observador, tinha “cerca de 21 anos”.

O despiste automóvel aconteceu no âmbito do combate ao fogo e provocou ferimentos a outros quatro bombeiros da corporação de Proença-a-Novas. Antes da confirmação da morte, o presidente da Liga dos Bombeiros dissera apenas que ainda não tinha sido possível “chegar ao pé da viatura” na qual seguia o bombeiro que foi posteriormente encontrado já sem vida.

Sobre o estado dos outros bombeiros envolvidos e feridos, que foram projetos da viatura, Jaime Marta Soares garantira: “Não são ferimentos graves, felizmente. Pensava-se que fosse mais grave. O que pode ser grave é a situação do bombeiro desaparecido”. Os receios confirmaram-se.

Ao Observador, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco também tinha confirmado anteriormente a “existência de alguns feridos” nessa acidente, resultado de um “despiste de uma viatura”. A mesma fonte, no entanto, não precisara o estado das vítimas do despiste: “Não sabemos a gravidade dos mesmos. O INEM está no local a fazer a avaliação”, apontara. Houve ainda um “veículo que aparentemente levou um bocado calor e não sabemos ao certo se estará queimado ou não”, indicara a mesma fonte.

O despiste aconteceu num combate que à meia-noite continuava a lavrar e a preocupar as autoridades no terreno. O presidente da Câmara Municipal de Oleiros, Fernando Jorge, perspetivou mesmo “uma noite terrível” e adiantou estar tudo preparado para evacuar duas povoações que estão em risco, esperando não ter de o fazer.

Fonte: https://jornaleconomico.sapo.pt/

About author

Pedro Fonseca

Pedro Fonseca

É natural e residente em Gouveia, a sua vida profissional está ligada nestes últimos 19 anos à área de consultadoria em seguros. Em 2013 foi fundador da empresa LICATEL - Soluções em Telecomunicações onde é sócio/gerente. Desde tenra idade ingressou nas camadas jovens dos Bombeiros de Gouveia tendo permanecido alguns anos nos quadros, ultimamente passou pela Direcção da referida Instituição dinamizando a área de comunicação e imagem. Frequentou a licenciatura em Gestão de Marketing no IPAM de Aveiro. Passou por diversas Associações de Gouveia dando o seu contributo.