Bragança: Bombeiros com “guia de segurança” para combate a fogos florestais

0

fogo-floresta240212Os bombeiros que integram o dispositivo de combate a incêndios florestais no distrito de Bragança receberam um “guia de segurança” que alerta para os perigos escondidos quando combatem incêndios florestais e evitar tragédias com as do ano passado.

“A distribuição (…) tem como objetivo que cada bombeiro tenha consigo o guia de segurança no bolso para que vá relembrando e interiorizando os procedimentos de segurança a adaptar em caso de perigo iminente”, disse à Lusa o Comandante Distrital de Operações de Socorro, João Afonso.

Para além da distribuição desta “espécie de manual de sobrevivência”, foi “reforçada” a formação e treino operacional dos soldados da paz do distrito de Bragança, nas áreas da segurança e proteção individual.

O distrito de Bragança registou no ano passado a morte de dois bombeiros da cooperação de Miranda do Douro e ferimentos graves num terceiro quando no dia 01 de agosto combatiam um incendio em Cicouro (Miranda do Douro).

No que toca a dispositivo de combate a incêndios florestais o distrito de Bragança vai poder contar durante fase Bravo, que tem início na quinta-feira prolongando-se até ao final do mês de maio, com quatro equipas de combate a incêndios compostas por 26 elementos que serão apoiadas por seis veículos

“Na época mais crítica de ocorrência de incêndios, que corresponde à fase Charlie (julho, agosto e setembro), o distrito de Bragança vai contar com 40 equipas de combate inicial, compostas por um total de 208 bombeiros, bem como quatro autotanques que integram uma equipa de logística”, apontou o comandante distrital.

No decurso da fase Charlie juntam-se aos 208 bombeiros, mais 265 elementos de diversos ramos da GNR e sapadores florestais do ICNF.

No que toca a meios aéreos, o distrito de Bragança foi reforçado com um helicóptero pesado “Kamov” que ficará baseado em Macedo de Cabeleiros, ao qual se juntam mais dois helicópteros de ataque inicial sedeados na serra de Nogueira (Bragança) e um outro em Alfândega da Fé.

O objetivo do dispositivo operacional de combate ao fogo “é redução da área ardida face as 2013”.

Em 2013, arderam mais de 21 mil hectares de floresta e mato no distrito de Bragança, região que registou igualmente o maior incendio do ano que teve a sua ignição no concelho de Alfândega alastrando-se durante quatro dias aos concelhos vizinhos de Mogadouro, Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta.

O incêndio de julho de 2013 consumiu uma área estimada em 14.912 hectares de terreno, dos quais 11.980 em espaços florestais e agrícolas, afetando localidades dos concelhos de Alfândega da Fé, Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo.

O concelho de Mogadouro “foi o mais afetado pelas chamas”, tendo ardido 6.850 hectares de florestas e diversas culturas agrícolas.

Fonte: Notícias ao Minuto

Entra na página do Facebook do Portal Bombeiros.pt (https://www.facebook.com/www.Bombeiros.pt), faz “Gosto” e conhece em primeira mão todas as notícias sobre os Bombeiros Portugueses!

 

About author

Mónica Costa

Mónica Costa

É natural de Tabuaço, licenciada em Comunicação e Relações Económicas e Mestre em Marketing e Comunicação. Foi jornalista na Rádio F até 2013 e apesar de nunca ter estado diretamente ligada ao mundo dos bombeiros, acompanhou sempre com um enorme respeito e admiração o seu trabalho. Na atualidade integra a equipa da Direção informativa do portal bombeiros.pt.