Bombeiros profissionais aderem à greve de 27 de Junho

0

bombeiro1Em Portugal existem cerca de nove mil bombeiros profissionais.

A Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) anunciou neste domingo que vai aderir à greve geral de 27 de Junho e vai também criar um fundo de solidariedade social para apoiar os bombeiros com dificuldades financeiras.

Estas foram duas das decisões que saíram do congresso da ANBP, em Viana do Castelo. Em declarações à Lusa, o presidente da ANBP, Fernando Curto, afirmou que vai ser criado um fundo de solidariedade social para apoiar os bombeiros profissionais que estão com dificuldades financeiras devido aos cortes nos salários.

Fernando Curto adiantou que os problemas financeiros afectam algumas centenas de bombeiros municipais, sendo a situação mais grave no Algarve. “Os problemas financeiros afectam os bombeiros profissionais um pouco por todo o país, mas no Algarve a situação é mais preocupante porque é nesta região que existem mais bombeiros municipais”, disse.

Segundo Fernando Curto, a maioria destes bombeiros ganha entre 535 e 700 euros mensais e, face aos cortes do Governo, “viram reduzidos substancialmente os seus vencimentos, estando a passar por situações de grande dificuldade”.

No congresso, os bombeiros profissionais decidiram também aderir à greve geral de 27 de Junho para protestar contra “os cortes cegos” do Governo. Fernando Curto adiantou que o Governo está a cortar nos salários dos bombeiros profissionais sem “salvaguardar uma classe profissional” que já recebe salários baixos.

O presidente da ANBP disse ainda que a associação vai realizar a 12 de Junho uma manifestação em Abrantes para manifestar solidariedade aos bombeiros municipais desta cidade, tendo em conta que a autarquia já anunciou a intenção de acabar com a corporação.

Em Portugal existem cerca de nove mil bombeiros profissionais entre sapadores, municipais, “canarinhos” e funcionários dos bombeiros voluntários. Este número, diz Fernando Curto, é insuficiente, uma vez que muitos estão a caminho da reforma. O presidente da ANBP diz que faltam 5000 profissionais para substituir as aposentações dos últimos anos.

“Nós não pedimos um aumento de efectivos mas que sejam preenchidas as vagas dos bombeiros que se aposentam todos os anos”, sublinhou o responsável, acrescentando que os bombeiros profissionais garantem socorro a dois terços da população. “A falta de efectivos está a colocar em causa o socorro às populações”, garantiu Fernando Curto. O rácio devia ser de um bombeiro profissional por cada mil habitantes mas, segundo o presidente nem sequer há um bombeiro para cinco, seis ou sete mil habitantes.

“É uma desproporção brutal em termos daquilo que é a reposta. Temos viaturas que deviam levar cinco homens, mas levam o motorista e mais um, o que não pode acontecer”, rematou.

Fonte: Público

About author

luis.andrade

luis.andrade

É natural da Guarda e Licenciado em enfermagem, tendo obtido também uma pós-graduação em Urgência e Emergência Hospitalar e uma pós-licenciatura de Especialização em Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria. Durante a frequência do curso de licenciatura em enfermagem, colaborou, como voluntário, na delegação da Guarda da Cruz Vermelha Portuguesa. Na atualidade exerce a profissão de enfermeiro no Funchal e integra a corporação dos Bombeiros Madeirenses, onde ocupa o posto de subchefe equiparado.