Bombeiros Espinhenses reagem à declaração do INEM

0

GCI_Sim_Espinho000279Num comunicado enviado à redação do portal bombeiros.pt, os bombeiros Espinhenses reagem à declaração do INEM, que hoje, durante a amanhã, colocou na sua página do Facebook a justificação relativa ao aumento no tempo de atendimento das chamadas.

Deixamos aqui integralmente o comunicado dos bombeiros Espinheses em resposta ao INEM.

No seguimento do comunicado do Sr. Presidente do INEM publicado hoje na rede social facebook do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) – ver aqui, cabe-me, na qualidade de Comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários Espinhenses dizer o seguinte:

1. Fomos contactados pela comunicação social relativamente aos factos ocorridos no dia 16 de Dezembro, factos esses que não era exatos e que mereceram algumas considerações por parte do Corpo de Bombeiros;

2. Apesar do Corpo de Bombeiros não ter sido informado oficialmente da abertura de qualquer processo de inquérito/averiguações, já foi enviada ao INEM, à Inspeção Geral das Atividades em Saúde, à Autoridade Nacional de Proteção Civil e à Liga dos Bombeiros Portugueses toda a informação disponível relativamente a este caso, bem como em relação a mais quatro casos em que se verificaram situações irregulares de tentativas de contacto com o CODU por parte das equipas de ambulância;

3. Todos os tempos de contactos e mobilização de meios disponíveis e registados pelo Corpo de Bombeiros estão nesses documentos;

4. Manifestei o meu agrado ao presidente do INEM em, apesar de ter sabido através da comunicação social, que estaria a ser aberto um processo de inquérito/averiguações ao caso ocorrido no dia 16 de Dezembro;

5. Transmiti ainda o desejo que, de igual forma, se abra um processo de inquérito às restantes situações anómalas reportadas;

6. Lamentei ao Sr. Presidente do INEM as suas declarações na edição do Jornal de Notícias do passado dia 10 quando diz “Se eu fosse bombeiro e não conseguisse contactar o CODU, usava o rádio e acionava o botão de emergência”, pois demonstra ignorância sobre os meios de comunicação disponíveis entre os Corpos de Bombeiros e o CODU. Só as ambulâncias do INEM, como deveria o Sr. Presidente deveria saber, dispõe de rádios cuja frequência é a mesma que a do CODU, ficando os restantes meios limitados
exclusivamente às comunicações por telemóvel;

7. Estranho e lamento que o Sr. Presidente do INEM afirme não existir registo de  nenhuma tentativa de contacto por parte da equipa da ambulância quando este  desconhece qual o número de telefone associado à ambulância mobilizada. Por  outras palavras, não dispondo o INEM do número de telefone que tentou o contacto, não pode afirma que não existe registo de nenhuma tentativa de chamada telefónica para o CODU;

8. Ao contrário do que foi também afirmado, existiram pelo menos duas tentativas de contacto telefónico da tripulação da ambulância para a linha de passagem de dados, a linha pela qual está preconizado pelo próprio INEM para transmissão de dados pelas ambulâncias – print sreen em anexo – e estamos a aguardar a entrega de dados mais detalhados por parte da operadora telefónica do Corpo de Bombeiros;

9. A linha de triagem que o Sr. Presidente diz que os Bombeiros deveriam ter tentado para o contacto, para além de não cumprir o procedimento referido pelo INEM, é atendida exatamente pelos mesmos operadores que atendem a linha de transmissão de dados;

10. Lamento que o Presidente do INEM procure descaradamente misturar e confundir as funções que paralelamente desempenho no INEM com a minha atividade absolutamente independente enquanto Comandante do Corpo de Bombeiros, que eu só posso entender como uma manifesta tentativa de moldar a minha participação neste lamentável caso;

11. Não está em causa um desfecho diferente deste caso em concreto, mas poderá estar em causa o diferente desfecho de casos futuros e lamento que os segundos e os minutos sejam tão relativizados pelo Sr. Presidente do INEM, não acreditando que seja esta a cultura do Instituto que preside;

Em suma, o Presidente do INEM, Dr. Paulo Campos:

12. Acusou a tripulação da ambulância de não ter seguido os procedimentos adequados de contacto com o CODU;

13. Afirmou não ter existido nenhum contacto com o CODU por parte da tripulação da
ambulância;

14. Tentou passar um atestado de incompetência geral a todos os Corpos de Bombeiros, ao dizer que estes não estão a usar todos os recursos disponíveis para contactar o CODU. Os factos, dados objetivos, não correspondem a isso.
Fazendo minhas as palavras do Sr. Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, o Sr. Presidente do INEM não pode usar os Bombeiros como bode expiatório dos seus problemas.

A situação ocorrida com o Corpo de Bombeiros Voluntários Espinhenses, lamentavelmente, é apenas um dos muitos exemplos que a generalidade de todos os Corpos de Bombeiros do país podem dar, aliás como hoje mesmo noticiado e como é visível em vários comentários de muitos bombeiros que denunciam experiências pessoais nesse sentido, no próprio facebook do INEM.

Anexo : Print Screen

Capturar1

 

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.