Bombeiros e INEM em pé de guerra

2

INEM2Os bombeiros afirmam, ao Jornal de Notícias, que na maior parte das vezes em que tentam chamar o INEM, não conseguem estabelecer o contacto, tendo por isso que colocar muitas vidas em risco. O INEM nega as críticas e a troca de acusações já está a fazer correr tinta.

Está aberta a guerra entre o INEM e os Bombeiros. A troca de acusações teve início esta semana, quando no passado sábado os Bombeiros Voluntários de Espinho tiveram dificuldades de comunicação com o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM, tendo o doente acabado por morrer no hospital.

O incidente ocorreu em Espinho, mas não é um caso isolado. Em Santa Maria da Feira, os bombeiros foram chamados para socorrer um homem que tinha sofrido uma queda, conta o Jornal de Notícias. Ao chegar ao local, verificaram que o homem, afinal, tinha sido atropelado e decidiram chamar o INEM. Porém, não conseguiram estabelecer o contacto para reportar a situação e pedir apoio médico.

O comandante dos Bombeiros da Lourosa garante que é isto que acontece em “50% dos casos” em que tenta contactar o CODU. O Jornal de Notícias refere que a falta de pessoal, o aumento do número de chamadas e a subida no tempo de espera podem estar na base do problema.

O presidente do INEM, por seu lado, refere que os bombeiros não estão a usar todos os recursos para estabelecer esse contacto. Confrontado com estas declarações, o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses mostra-se revoltado e diz que não admite que o INEM “sacuda a água do capote e faça dos bombeiros bode expiatório dos seus problemas internos”.

Noticias ao Minuto

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.