Bombeiros de Monção suspendem socorro por causa de salários em atraso

0

monçãoA partir do meio-dia, entram em greve por tempo indeterminado, mas o serviço de INEM será “assegurado na totalidade”. No início do mês, a direcção da corporação demitiu-se em bloco, em divergência com o comando.

Os Bombeiros de Monção estão em greve a partir do meio-dia desta terça-feira e não asseguram “qualquer serviço de socorro” no concelho. Em causa estão os salários em atraso desde Março. 

“Perante esta situação, foi decidido, em reunião geral de bombeiros, que a partir do dia 13 de maio de 2014 não haverá disponibilidade para qualquer serviço de socorro”, lê-se no comunicado emitido pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Monção (AHBVM), citado pela agência Lusa. 

Os bombeiros garantem que o serviço de INEM será “assegurado na totalidade” mas socorro no concelho “terá que ser garantido em exclusividade pela protecção civil municipal ou pelo Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS)”. 

A greve vai manter-se por tempo indeterminado, “até que a situação seja regularizada”, afirma o comandante José Passos à Lusa. 

No princípio do mês, a direcção da corporação demitiu-se em bloco, alegando um diferendo com o comando. Depois de uma reunião com a Câmara local e o Comandante Operacional Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Viana do Castelo, a direcção comprometeu-se a permanecer em funções até ao dia 17. 

Nessa data, vai decorrer uma assembleia geral, donde deverá sair uma comissão interina para gerir a corporação até à realização de eleições. 

Os bombeiros acusam a direcção demissionária de “ter recebido quantias do Centro Hospitalar do Alto Minho, do INEM e da Câmara Municipal” e não ter regularizado os salários, alegando “um imprevisto de última hora e coisas mais importantes para resolver”, lê-se ainda no comunicado. 

A fase Bravo de combate a incêndios florestais, a segunda mais crítica, começa no próximo dia 15. 

A direcção agora em funções de gestão corrente foi eleita em Junho de 2012 após quatro tentativas falhadas por falta de listas candidatas, devido às dificuldades financeiras que a corporação atravessa. 

Só a dívida a fornecedores da corporação ascendia, no início do 2012, a mais de 280 mil euros, mas foi entretanto reduzida em 100 mil euros.

FONTE – RR

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.