Bombeiro ferido no Caramulo morreu esta madrugada

2

Olhando o rescaldo do incêndioO bombeiro Bernando Figueiredo, internado no hospital desde a passada Quinta-feira, morreu esta madrugada não conseguindo resistir aos ferimentos do cerco da Serra do Caramulo, onde morreu também a Bombeira Ana Rita da corporação de Alcabideche.

O jovem de 23 anos, bombeiro no Estoril é o 4º. elemento a deixar as fileiras dos bombeiros este ano.
O portal bombeiros.pt lamenta a morte de mais um bombeiro e vem por este meio manifestar a nossa solidariedade e apresentar as nossas sentidas condolências aos bombeiros do Estoril e a toda a sua familia.

queremos manifestar a nossa solidariedade e
apresentar as nossas sentidas condolências

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

  • Paulo Pires

    Infelizmente, mais um…
    Quantos bombeiros mortos serão precisos para igualar, em reconhecimento público, um prestigiado qualquer?!?
    O povo (o conjunto de pessoas de que todos fazemos parte!) já os reconhece, valoriza e glorifica… quanto tempo mais para que os outros (os surdos das vozes populares!) também o façam?
    Os bombeiros não enriquecem no cumprimento do dever, os bombeiros não são beneficiados no cumprimento do dever, e quando morrem, no cumprimento desse mesmo dever (interior e entranhadamente aceite!), a maioria sofre, e muito, as consequências de estarem de forma abnegada e franca a “lutar” por todos aqueles que juraram proteger!
    Os bombeiros sofrem fisicamente as dores dessa entrega, dores, porventura, inimagináveis… mas as outras, as da alma, as da emoção, são relegadas para segundo plano, porque a entrega ao cumprimento do seu dever fá-los voltar à “luta”, sem tréguas nem hesitações!
    Resta-nos a nós (o povo que lhes agradece!) lutar aqui, ou em qualquer lado semelhante, pelo reconhecimento que lhes é devido, pelos cuidados que tanto merecem e pela lembrança de que quem partiu, partiu com as lágrimas de todos nós… esse, é o cumprimento do nosso dever para com todos eles!
    Obrigado.

  • Fonseca

    Lamento a situação , e apresento as condolências.
    Alerto Exmo. Sr. Comandante, que a formação não e sinonimo de experiencia, pelo que a adequação da formação, carece de experiencia.
    cumprimentos