AVISO À POPULAÇÃO: PRECIPITAÇÃO, NEVE, VENTO e AGITAÇÃO MARíTIMA

0
                                                                   1. SITUAÇÃO Situação Meteorológica:
anpcNo seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), realizado hoje pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), salienta-se, de acordo com a informação prestada, que se espera para os próximos dias o agravamento das condições meteorológicas, com especial destaque para as regiões a norte do rio Tejo e, em particular, as regiões do Minho e do Douro Litoral.
Destacam-se como principais fatores de risco:
  • Precipitação persistente com picos de maior intensidade (>10 mm/h) durante o dia de amanhã (08JAN) e no domingo (10JAN), podendo os valores acumulados ultrapassar os 200 mm durante este período;
  • Queda de neve acima dos 1400m (podendo descer pontualmente aos 1200m);
  • Vento a soprar forte com rajadas da ordem dos 90 km/h, no litoral, e 100 km/h, nas terras altas;
  • Agitação marítima na costa ocidental com ondas até 5m.
Informação hidrológica relevante:
  • Escoamento superficial e sub-superficial tendencialmente elevado, suscetível de originar inundações rápidas em zonas historicamente vulneráveis, em especial nas bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima, Cávado, Ave, Vouga, Douro e Mondego. Não é de excluir a eventual ocorrência de situações de cheias associadas ao aumento do caudal das principais linhas de água.
  • As condições de saturação dos solos mostram-se favoráveis à de ocorrência de deslizamentos de terras, especialmente nas zonas de declive mais acentuado.
Não deixe de acompanhar as previsões meteorológicas em www.ipma.pt
2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Em função das condições meteorológicas atuais e previsíveis, espera-se:
  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, devido à acumulação de águas pluviais e/ou insuficiência dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água das zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas por deficiências de drenagem;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente durante períodos de preia-mar, que podem causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Possibilidade de queda de ramos ou de árvores em virtude de vento mais forte;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação em água dos solos.
3. MEDIDAS PREVENTIVAS
A ANPC recomenda à população que adote medidas de prevenção adequadas, nomeadamente que:
  • Garanta a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais, retirando inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou possam obstaculizar ao livre escoamento das águas;
  • Adote uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água e de gelo nas vias de circulação;
  • Transporte e aplique as correntes de neve nas viaturas sempre que circular nas áreas atingidas por queda de neve;
  • Não atravesse zonas inundadas, de modo a evitar o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos existentes no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Garanta uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
  • Tenha especial cuidado na circulação e permanência junto a áreas arborizadas, mantendo-se atenta à possibilidade de queda de ramos ou de árvores devido a vento mais forte;
  • Tenha especial cuidado na circulação junto da orla costeira e em zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas;
  • Não pratique atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, e evita, também, o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Esteja atenta às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e das Forças de Segurança.



Sobre quem enviou a noticia

Ângelo Santos

Ângelo Santos

E natural do Porto e criado em Gondomar, assume-se como um “tripeiro de gema” pela forte influência e proximidade à cidade do Porto. Nasceu praticamente no seio dos bombeiros derivado à presença de familiares nas fileiras, onde de perto acompanhou a sua evolução e ganhou gosto pela causa. Integra na atualidade o corpo de bombeiros de Valbom no Concelho de Gondomar, onde exerce funções de bombeiro de 2º, com vínculo profissional de Operador de Comunicações. Fez ainda parte do projeto bombeirosdeportugal.com.