Autarca de Paredes queixa-se de falta de apoio da proteção civil nacional

1
Foto de Nélson Garrido

Foto de Nélson Garrido

O presidente da Câmara de Paredes queixou-se, este sábado, em declarações à Lusa, da falta de apoio da proteção civil nacional para acorrer às consequências do tornado que danificou, na última noite, dezenas de edifícios, desalojando várias famílias.

“Excetuando a componente do comando distrital, estamos neste momento completamente entregues a nós próprios, ou seja, com a nossa proteção civil e com problemas gravíssimos que envolvem a destruição de unidades industriais, residências, edifícios escolares, uma igreja, um cemitério”, declarou Celso Ferreira.

O autarca disse que a situação é de tal forma grave que a câmara já está a preparar, um dossiê para pedir, ainda hoje, ao Governo a declaração de situação de calamidade pública.

“Estamos necessitados de uma resposta diferenciada para problemas diferenciados”, acrescentou Celso Ferreira, adiando que a proteção civil distrital do Porto já recebeu uma primeira lista das principais necessidades.

Comentando a situação que se viveu durante a noite em quatro freguesias do concelho, o autarca considera que se viveram “momento aterradores”.

“Estamos a falar de uma zona densamente povoada e densamente ocupada por atividade económicas. Estamos a falar de algo surpreendente e aterrador, nunca visto”, descreveu.

O fenómeno meteorológico que hoje se verificou tem sido descrito pela proteção civil como um tornado que, cerca das 03:15, danificou dezenas de casas, duas fábricas, uma escola, uma igreja e um cemitério.

As freguesias mais afetadas foram Duas Igrejas, Vilela e Lordelo, numa extensão de cerca de quatro quilómetros, nas contas do presidente da câmara.

 

(Fonte: JN)

Entra na página do Facebook do Portal Bombeiros.pt (https://www.facebook.com/www.Bombeiros.pt), faz “Gosto” e conhece em primeira mão as notícias sobre o mau tempo que atinge Portugal.

About author

Daniel Rocha

Daniel Rocha

Nasceu na Guarda, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu e conheceu o mundo dos bombeiros integrando o corpo activo. É Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e possui um Curso de Especialização em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC). Para além da vida de professor, dedica-se a muitas outras actividades, entre as quais o teatro e a escrita, tendo publicado com alguma regularidade desde 2011. A sua ligação e gosto pelo mundo da imprensa levaram-no a ser colaborador da Rádio Altitude (Guarda) e do jornal Notícias de Gouveia (Gouveia).

  • jose luis

    é normal a ANPC só lançou o alerta haras antes do mau tempo, considero inaceitável