Associação ambientalista planta mil sobreiros no Pinhal de Leiria

0

A associação ambientalista Zero anunciou hoje que vai plantar no domingo mil sobreiros no Pinhal de Leiria, grande parte do qual foi destruído por um incêndio em outubro.

“Trata-se de uma ação conjunta com a Secretaria de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural e com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, entidade que gere as matas nacionais, que assegurará a manutenção das árvores no local nos próximos anos, incluindo a substituição dos sobreiros que não sobreviverem”, adianta a Zero numa informação enviada à Lusa.

Na iniciativa, que começa às 10:00 junto à escola secundária José Loureiro Botas, em Vieira de Leiria, Marinha Grande, é esperado o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas.

“A Zero quer iniciar um trabalho na proteção da floresta autóctone e na reflorestação de áreas ardidas, pelo que decidimos convocar os nossos associados para participarem nesta ação simbólica em memória das vítimas dos incêndios de 2017”, justificou o dirigente Paulo Lucas.

Em 15 de outubro, um incêndio destruiu cerca de 80% da Mata Nacional de Leiria, também conhecida por Pinhal de Leiria e Pinhal do Rei.

Propriedade do Estado, tem 11.062 hectares e ocupa dois terços do concelho da Marinha Grande. A principal espécie é o pinheiro bravo.

Na mesma informação e no momento em que se multiplicam iniciativas de arborização com espécies autóctones por todo o país, a associação aponta “um conjunto de recomendações de boas práticas para que se garanta a sustentabilidade dos investimentos a realizar”.

“Em primeiro lugar, a Zero aconselha aos cidadãos e às entidades financiadoras que verifiquem se existem compromissos/garantias de que as árvores e arbustos plantados são monitorizados e mantidos nos anos seguintes, já que, por norma, a mortalidade neste tipo de plantações é muito elevada nos primeiros anos, obrigando a substituir muitas árvores que não sobrevivem”, refere.

Por outro lado, a associação nota que “em quase todas as áreas é necessário prever que, nos primeiros anos, a vegetação arbustiva é controlada periodicamente através de métodos que não impliquem a mobilização do solo”, para reduzir a competição e para prevenir a propagação de eventuais incêndios.

“Para a realização deste tipo de trabalhos aconselha-se o estabelecimento de parcerias com organizações de produtores locais que tenham a seu cargo equipas de sapadores, por forma a garantir que as tarefas são executadas com qualidade e se promove o emprego no meio rural”, sugere ainda a Zero.

A associação exige também “transparência na apresentação dos resultados e na disponibilização da informação relevante para que esta fique facilmente acessível a todos, indicando os locais onde foram plantadas as árvores e as monitorizações que vão sendo efetuadas, para que estes investimentos sejam credíveis perante a opinião pública e produzam os efeitos desejados nas décadas seguintes”.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro, António Costa, defendeu um novo Pinhal de Leiria, constituído por pinheiros e outras árvores, tendo plantado simbolicamente um sobreiro como exemplo da diversidade de espécies arbóreas que o Governo pretende ver no local.

“Não quer dizer que o pinhal não vá ser pinhal. O pinhal vai ser pinhal e só é pinhal se tiver pinheiro. Mas, para nós termos um bom pinhal e um bom pinheiro que seja, também ele, resistente ao fogo, é preciso que este pinhal não seja só de pinheiro e tenha a boa composição e o bom ordenamento que ajude à sua resistência”, disse António Costa, na Marinha Grande, na sessão de apresentação da Estratégia de Recuperação do Pinhal do Rei.

DN




Sobre quem enviou a noticia

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.