Alunos de Proteção Civil apresentam plano para emergências radiológicas

0

Os alunos do Curso Técnico Profissional de Proteção Civil do Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova desenvolveram e apresentaram o Plano Municipal de Emergências Radiológicas de Proença-a-Nova que traça as linhas mestras relativamente à prevenção e à atuação das forças de segurança pública em caso de uma catástrofe ambiental provocada por um acidente nuclear na Central de Almaraz, localizada na vizinha Espanha. O plano foi desenvolvido tendo em conta o cenário de uma fuga radioativa. “Numa situação real, a nuvem radiológica passaria por Proença-a-Nova”, afirma Pedro Agostinho, docente no curso técnico, referindo que a Central Nuclear de Almaraz está a 170 quilómetros de distância.

Os alunos escolheram este tema tendo em conta a atualidade do mesmo: neste início de ano as notícias dão conta de uma possível queixa a ser apresentada por Portugal junto da União Europeia por Espanha ter autorizado a construção de um depósito de lixo nuclear em Almaraz, quando a central já devia estar a ser desmantelada, até pelos incidentes de funcionamento registados em 2016. O plano define claramente que entidades devem atuar no terreno e com que funções, tendo como principal objetivo garantir a segurança da população. Inclui, por exemplo, a articulação com o Exército e a Força Aérea, entidades que não estão presentes de forma permanente no terreno mas que seriam chamados a intervir.

O Plano Municipal de Emergências Radiológicas de Proença-a-Nova foi apresentado dentro de um contexto muito particular em que os alunos formaram dois partidos (Proença à Frente e Proença Mais Forte) que concorreram às eleições autárquicas. O primeiro partido conquistou a Assembleia Municipal e o segundo a Câmara Municipal. Simularam então a realização de uma Assembleia Municipal (AM) em que interveio o presidente da AM, da Câmara e os líderes das duas bancadas. O único ponto da reunião foi a apresentação e votação do presente plano. Para Pedro Agostinho, todo este exercício permitiu, por um lado, “mostrar aos alunos como é que funciona o poder local” e, por outro, alertar para a questão de Almaraz. “Não é alarmar, mas as notícias existem e é um perigo real”.

Apesar de ser uma apresentação feita em contexto formativo, assistiram à reunião simulada da Assembleia Municipal João Manso, vice-presidente da Câmara Municipal, Maria João Pereira, diretora do Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova, Carlos Lopes, da ANPC, Fernando Martins, segundo secretário da Assembleia Municipal de Proença-a-Nova e diretor do Aeródromo Municipal, Tiago Marques, Comandante dos Bombeiros Voluntários de Proença-a-Nova, José Xavier, Comandante do Posto da GNR de Proença-a-Nova e Daniel Farinha, técnico Municipal de Proteção Civil.

Durante o presente ano letivo, o último de um ciclo de três que dá aos alunos a qualificação de Técnico de Proteção Civil e equivalência ao 12º ano, a turma de onze alunos tem uma visita agendada ao corpo de bombeiros e à torre de controlo do Aeroporto Sá Carneiro, no Porto, irá acompanhar uma máquina de rastos durante o defeso no trabalho de prevenção que é feito fora da época de incêndios, e participará no briefing distrital da ANPC que contará com a intervenção de Rui Esteves, recentemente nomeado comandante nacional operacional da Proteção Civil (ocupava o cargo de comandante distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco).

Câmara Proença a Nova

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.