(Actualização) c/imagens – Choque de comboios em Coimbra

0

comboioDois comboios, entre eles um comboio Intercidades que seguia no sentido Lisboa/Porto e um comboio regional que viajava entre Coimbra/Figueira da Foz, chocaram ao início da noite na Granja do Ulmeiro, em Soure, em Coimbra. Há pelo menos 11 feridos ligeiros, de acordo com a Proteção Civil, estando a proceder-se a uma busca secundária em busca de mais vítimas. O INEM, a Protecção Civil e os bombeiros têm “muitos meios para o local”, de acordo com o repórter da RTP, Cláudio Calhau. Os hospitais de Coimbra estão em estado de alerta. O choque provocou um enorme número de destroços, “comboios na horizontal mas também na vertical”, como descreveu a situação o jornalista da Antena 1, Pedro Ribeiro.

A GNR está a criar um corredor de acesso ao local do acidente, que aconteceu cerca das 21h40, afirmou Pedro Ribeiro. O acidente poderá ter tido origem na existência de óleo nos carris ou no roubo de cabos.O Comandante Carlos Luís dos Bombeiros de Soure afirma que “na Granja do Ulmeiro há luz” pelo que, as causas do acidente, que estão a ser apuradas, não deverão dever-se à falta de energia. O Capitão Teixeira da GNR de Montemor o Velho não adianta causas para o acidente e diz que a prioridade é procurar eventuais vítimas.

Uma passageira que estava no Intercidades que seguia para o Porto falou à RTP quando estava a ser transportada para o Hospital de Coimbra,imobilizada numa âmbulância.

Patrícia referiu que a carruagem em que viajava estava “muito cheia”, e que os passageiros ficaram presos na carruagem devido às portas encerradas após o choque.

Quando foi retirada da carruagem em que seguia, Patrícia viu “feridos” e destroços a toda a volta quando saiu do comboio, vendo uma composição, perto, como um “bocado de papel, embrulhado”.

O comboio não travou mas “embateu em algo”, afirma a passageira que não sentiu nenhuma travagem.

Outra testemunha, Mariana Carrilho, moradora próxima do local onde se deu o acidente, afirma que, ainda antes da chegada dos bombeiros viu pessoas a sair das carruagens sem problemas e um “senhor a tentar partir um vidro”, para ajudar uma pessoa que estava fechada dentro de uma carruagem. “Sem sucesso”, o vidro só partiu depois da chegada dos bombeiros.

“Aqui é uma zona onde há mudança de linhas” e houve quem achasse “estranho estar a demorar tanto tempo a mudança de linhas,” acrescentou Mariana entrevistada por Cristina Esteves no Grande Jornal da RTP.

De acordo com esta testemunha, foi o comboio Intercidades que colidiu com a composição regional, que estava parada na linha à espera do realinhamento das linhas.
As autoridades chegaram rapidamente ao local, afirmou ainda outra testemunha, Rui Roque.

 

FONTE: RTP/TVI

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.