A VIDA É BELA

0

Madalena FerreiraO recurso ao título de um dos filmes que alguma vez me marcou tem a difícil missão de puxar por uma analogia, porventura arriscada, mas eficaz na caracterização do papel dos bombeiros na vida de cada um de nós. Não que os soldados da paz, a exemplo do protagonista da película italiana que poupou o filho ao drama do holocausto, tenham por hábito improvisar situações de faz de conta ou episódios que disfarcem o perigo dos incêndios na floresta ou em redor das casas de habitação, mas por que lhes adivinho (sem bola de cristal) uma atitude de resultado idêntico.

Diante de tantos incêndios a deflagrarem ao mesmo tempo, como aconteceu neste malfadado Agosto último, os bombeiros, ainda sem o dom da ubiquidade, não conseguiram acudir sempre a todas as frentes. Ou porque entre e floresta e as casas de habitação, estas são prioritárias ou por que, os bombeiros, voluntários ou profissionalizados, são manifestamente insuficientes em certas fases do ano. Em consequência, as populações recorrem à crítica ruidosa, eivada de uma ingratidão primária que, não sendo sentida, será aparente e, necessariamente, transitória.

Para quem diz e para quem ouve. Senão vejamos. Amanhã, o drama do fogo bate de novo à mesma porta e os bombeiros, podendo, fazem outra vez o caminho das pedras para combater perdas e danos emergentes. E, as populações, com ou sem histórias de chamas madrastas nas suas vidas também sabem ser solidárias quando é preciso.

A título de exemplo, recordo o concerto promovido pelos bombeiros da Guarda no passado dia 19. Foi, salvo melhor opinião, a iniciativa que melhor revelou a fotografia nítida desse registo que me agrada na humanidade. Aquele que nos impele a responder a um pedido de ajuda, mesmo não vestindo uma farda. Com os HI-FI em palco, a garagem da Associação humanitária da cidade abriu as portas a cerca de 2500 pessoas que, dando um valor simbólico de entrada, entregaram uma receita global aproximada de 10 mil euros. E, muitos foram os que fizeram donativos sem sequer marcar presença naquele que foi o maior evento do género realizado pelos bombeiros da Guarda. Numa noite chuvosa e a poucos meses de nova faina, os voluntários conseguiram parte da verba necessária à aquisição de novos equipamentos de proteção individual. Também por isso, caros leitores, também por isso “a vida é bela”.

Madalena Ferreira

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.