Ventos de mudança!

0

1. É um mundo completamente avesso e cheio de complexas incoerências este em que nós vivemos. Se, por mero acaso, já nos habituámos a coexistir com as grandes tempestades junto aos Estados Unidos da América, parecemos ainda não ter percebido que o clima se alterou e que hoje até nós, gente feliz mas esquecida do passado tremente, estamos susceptíveis a ser atingidos com violenta afeição por um qualquer fenómeno habitual de outros quadrantes. Assim tem acontecido e, estranhamente, continuamos a deixar que tudo se resolva de forma natural, ou seja, com o velho ditado originário do futebol: “Pontapé para a frente e fé em Deus!” Mas, não sabemos já todos que não se combatem as contrariedades só com o espírito voluntarista que, felizmente, ainda vai sendo apanágio do povo português? Os recentes casos dos tornados, o mais recente no Algarve mas não se esqueçam daquele que atingiu a região centro do país no ano passado, vieram colocar a nu uma questão fundamental que exijo que seja respondida pelas entidades competentes: há algum plano formativo a aplicar nas corporações de bombeiros no que diz respeito à reacção a fenómenos meteorológicos extremos? Sim, dirão que o DECIF está preparado para enfrentar um determinado número de eclosões provocadas por altas temperaturas, mas e no que diz respeito a fenómenos provocados por movimentações de ar extremas? Talvez fosse bom que esta variante de acção começasse a ser tida em conta na equação do socorro em Portugal.

2. E chegamos ao ponto mais interessante desta crónica. Aparentemente conseguimos, a partir destes dias frios de Dezembro, atingir a condição perfeita em termos de Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). Não, não sei coisas que o estimado leitor não saiba também. Parece-me é que, pelas sorridentes reacções que tenho lido à provável (certa?) substituição do Comandante Nacional Vítor Vaz Pinto pelo CODIS de Leiria José Manuel Moura, há demasiada gente satisfeita ou aparentemente satisfeita com esta troca no topo da pirâmide operacional. Ao nível curricular conheço muito pouco do futuro (?) CONAC, mas parece ser alguém interessado em melhorar sempre (tendo em conta o número de especializações na área do socorro que tem efectuado), o que é muito positivo para todos aqueles que pensam que é na constante actualização de conhecimentos que está o futuro de todas as áreas do país. Sendo assim, e pressentindo-se já um imenso mar de alterações na organização da estrutura de Comandos Distritais do país, só gostaria que as futuras notícias nos dessem a perceber se existe ou não da parte deste homem (convém lembrar que é um homem, com feitos e defeitos, e que não passará num golpe de asa a ser um deus omnipotente e omnisciente!) uma abertura real para os problemas que atingem a base do socorro e que são constantemente varridos para zonas mais recônditas do “nem sei nem quero saber”.

3. É esta a prenda que desejo que o novo ano (que todos antevemos difícil e penoso) possa trazer a toda a estrutura da ANPC: um olhar real e preocupado sobre os nossos problemas e sobre os futuros problemas do socorro do país, não deixando de ser coerente com o rigoroso cumprimento de todas as missões.

Guarda, 5 de Dezembro de 2012
Daniel António Neto Rocha

 




Sobre quem enviou a noticia

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.