Acerca dos livros e dos bombeiros

0

daniel_rocha1. Tenho muitas vezes a ousadia de querer encontrar nexos de entendimento entre este mundo dos bombeiros e o universo da literatura. Não pensem que é por uma questão de fechar a compreensão das crónicas, mas, sim, por uma questão de construção de horizontes de significação mais alargados. O que significa isto? Simplesmente que o mundo está todo inventado nos grandes livros e quem o quiser conhecer e analisar mais de perto só tem de ler e interpretar os vários autores.

2. Porque me lembrei disto? Porque neste fim-de-semana (14 de Abril) foi completado o primeiro Quadro de Comando da história dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra. Dito só assim também não serve de explicação, mas tem tudo a ver com aquilo que nestas datas se deseja aos recém-empossados. Não é um hábito dar-lhes os “Parabéns”? Claro que sim, mas, na minha modesta opinião, não é esta palavra que devemos utilizar nestas alturas. O melhor que podemos desejar a quem assume estas funções são votos de bom trabalho e de boa sorte. E é isto que todos nós esperamos que tenham todos aqueles que assumem as funções de comando nos Corpos de Bombeiros, para que no futuro, quando deixarem de desempenhar estas mesmas funções, podermos, aí sim, dar-lhes os parabéns!

3. No livro O Nome da Rosa, de Umberto Eco, encontramos uma história que é, por si, um imenso mundo de significados e de possibilidades de análise. Não me interessa aqui desfolhar este livro, mesmo que pudesse aqui tentar lançar as bases de uma análise quase irreal sobre os métodos mais eficazes de ataque a um incêndio que ocorre numa grande biblioteca. Mas não é isso que me interessa. Interessa-me sim o potencial de análise da sua personagem principal: Guilherme de Baskerville. Construído debaixo do enigmático véu da Idade Média, este frade franciscano é um observador atento do mundo que o rodeia e um ágil decifrador de mistérios que se adensam à sua volta. Claro está que isso lhe causa alguns dissabores, mas nada que o destino não se encarregue de corrigir. Pois bem, este frade franciscano tem um aprendiz, que o segue pelo mundo e que com ele apreende aos grandes ensinamentos da vida, até que é hora de se separarem. Mas é a este aprendiz que ensina a melhor forma de pensar e compreender o mundo. Diz Guilherme, logo depois de o seu aprendiz ter ficado admirado com a forma como o Mestre descobre o que parecia impossível de descobrir: “Em toda a viagem te tenho ensinado a reconhecer os traços com que o mundo nos fala como um grande livro.” E é este reconhecimento dos traços negativos que existem no mundo dos bombeiros que eu gostava que acontecesse, visto que permitiria a todos aqueles que “comandam” melhorar, na realidade, as nossas corporações de bombeiros.

Famalicão da Serra, 14 de Fevereiro de 2013
Daniel António Neto Rocha

About author

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.