Juramento de sangue para ser Oficial-Bombeiro

0

sangueCarta anónima enviada para o «Boca» d’Incêndio revela que em muitos quartéis de bombeiros os pretendentes à carreira de Oficial-Bombeiro são obrigados a fazer juramentos de fidelidade eterna e a assinar contratos de obediência.

O tema não é novo, nem desconhecido nos quartéis de Norte a Sul do país, mas, desta vez, ganhou contornos surreais e doentios. Uma carta enviada ao «Boca» d’Incêndio, e assinada por um grupo de bombeiros que pretende ficar anónimo, revela que um conjunto de Comandantes exigiu aos seus homens que, caso quisessem candidatar-se à carreira de Oficial-Bombeiro, lhe jurassem obediência eterna e que assinassem um contrato que os deixaria obrigados a fazer tudo o que o Comandante quisesse.

Sabe o «Boca» d’Incêndio que os Comandantes envolvidos têm antecedentes relacionados com actividades mágicas e bruxarias em Vilar de Perdizes e que já antes tinham sido suspensos pelo respectivo CODIS por terem efectuado um pacto, assinado com o próprio sangue, para efectuarem serviço no respectivo CDOS.

Quanto aos pretendentes a Oficiais- Bombeiros, já iniciaram contactos com o professor Caramba para combater eventuais represálias Voodoo destes Comandantes.

 




Sobre quem enviou a noticia

«Boca» d’ Incêndio

«Boca» d’ Incêndio

A «Boca» d’ Incêndio é o nome que intitula uma rubrica humorista do portal bombeiros.pt. Jornalistas e bombeiros desenvolvem semanalmente notícias humorísticas que “esmiúçam” os bastidores do mundo dos Bombeiros Portugueses e da Proteção Civil. Apesar de devidamente identificada como «Boca» d’ Incêndio, esta rubrica leva a que alguns dos nossos leitores acreditem no seu conteúdo, derivado à proximidade das notícias com a realidade. No entanto, todas as notícias publicadas na «Boca» d’ Incêndio são puramente ficcionais ou não e não pretendem mais do que trazer sorrisos e bom humor ao universo dos Bombeiros Portugueses e da Proteção Civil. Sorria e esteja atento às madrugadas de Sábado, no momento em que a «Boca» d’ Incêndio jorrará!