Campanha para recrutar novos voluntários para os Bombeiros de Trofa

0

trofaFoi lançada há dias uma campanha de angariação de novos bombeiros. João Pedro Goulart, comandante dos BVT, explicou que “há necessidade” de aumentar o corpo efetivo “face ao número crescente de ocorrências e solicitações”.

“Os efetivos que temos começam a ser poucos, face àquilo que é, atualmente, a vivência do nosso concelho”, sustentou. A idade mínima para ingressar na corporação é 17 anos. O bombeiro estagiário frequenta “um curso de instrução inicial, tendo de prestar provas de âmbito nacional no final”. “Cumprida essa fase, passa a integrar o corpo de bombeiros enquanto elemento do quadro ativo”, explicou.

De acordo com a legislação, os candidatos a bombeiros terão ainda de “possuir a escolaridade mínima, robustez física e condições específicas para o exercício da missão”. Há ainda “diversos regimentos” que o soldado da paz “tem de cumprir”, uma vez que “sempre que atua, fá-lo sempre em representação do Estado”, e um número de horas de serviço a executar, “a dividir pela componente do socorro, piquete e formação”.

Os interessados em fazer parte desta missão voluntária que trabalha por um amanhã melhor, devem inscrever-se no quartel. Vontade, disponibilidade e dedicação são valores que devem fazer parte da personalidade daqueles que sentem que podem dar de si para socorrer a população, zelar pelo ambiente e preservar o património do concelho.

“Por que é que sou bombeiro? Não sei. Se calhar, a pergunta deveria ser: ‘pensa em deixar de ser bombeiro?’ Eu diria que não. E por que é que continuo a ser bombeiro? Porque sou assim, cresci assim e hei de continuar a ser assim”. João Pedro Goulart Bombeiro há 26 anos

“A minha ligação com os bombeiros já nasceu comigo, sempre tive este espírito de salvar os outros. Quase todos os dias temos momentos difíceis e outros sorridentes. É um orgulho para mim ter a minha esposa e a minha filha na corporação”. Eduardo Cruz Bombeiro há 37 anos

“Um bombeiro nunca tem medo, faz sempre o seu melhor em prol da população”. Manuel Costa Bombeiro há 33 anos

“Quando era jovem tinha um interesse particular nos Bombeiros. Depois de cumprir o serviço militar, os meus colegas incentivaram-me e então alistei-me. É uma paixão que temos dentro de nós. Já houve vários momentos em que o salvamento correu bem e essas ficam para sempre na memória. Enquanto Deus me ajudar e tiver saúde e força, continuarei a ser bombeiro”. Pedro Ferreira Bombeiro há 17 anos

“Cresci neste ambiente, porque tinha o meu pai, tia e avô na corporação. Aos 17 anos decidi fazer parte deste legado e tentar perceber se tinha a mesma vocação. Acho que é meu dever contribuir e deixar a minha marca na comunidade, uma vez que sou parte integrante da Trofa”. Cátia Gomes Bombeira há 5 anos

“Para mim, ser bombeiro é uma opção de vida. Gosto disto, gosto de fazer voluntariado e apoiar a população. Abdicamos de muito tempo em família e com os amigos, mas, no fim, tudo é recompensado”. Samuel Rodrigues Bombeiro há 3 anos

Fonte: O Notícias da Trofa

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.