Bombeiros de Portalegre estão a braços com dividas que rondam os 90 mil euros mas corporação “não está em situação de falência” – presidente da direção

0

12963617_1019146431495527_3627471402425042767_n

Os bombeiros de Portalegre estão a braços com dívidas que rondam os 90 mil euros. As maiores dívidas da corporação são de mais de 30 mil euros em combustível e 34 mil pela compra de um veículo de desencarceramento.

Em declarações à Rádio Portalegre, o presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros de Portalegre, Adriano Capote disse que a situação de tesouraria “é má”, mas salvaguarda que a corporação “não está em situação de falência”.

Adriano Capote explicou que os bombeiros de Portalegre têm a receber cerca de 112 mil euros, a maioria fatia, de hospitais de Lisboa resultantes de serviços de transporte de doentes.

O dirigente referiu ainda que a situação de tesouraria dos bombeiros de Portalegre poderia ser mais desafogada se não fosse os cerca de 400 mil euros que tiveram de pagar nos últimos anos por causa do “célebre” concerto de Júlio Iglésias realizado em 2004 no Estádio dos Assentos, que redundou num “fracasso” de bilheteira.

A Assembleia Geral da Associação Humanitário dos Bombeiros de Portalegre vai reunir, esta segunda-feira, a partir das 20:30. Da Ordem de Trabalhos consta a aprovação do relatório e contas de 2015 e a autorização para financiamento. (Gabriel Nunes/Carla Aguiã)

Fonte: Rádio Portalegre

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.