BOMBEIROS DE ALBUFEIRA RECEBEM MAIOR DOAÇÃO DOS ÚLTIMOS 30 ANOS

0

Bombeiros de South Yorkshire, em Inglaterra, doam material no valor estimado de 150 mil euros. «Ferramentas fundamentais para operações de resgate» que vêm trazer «uma evolução tecnológica» aos soldados da paz de Albufeira.

Após sete meses de conversações e coordenação logística, os Bombeiros Voluntários de Albufeira receberam na segunda-feira, dia 18 de julho, material fundamental para o bom desempenho desta unidade nas suas mais diferentes vertentes.

Nuno Correia, 39 anos, membro da direção e responsável pelos contactos com outras corporações de bombeiros no estrangeiro, diz que «quando explico a nossa situação a nível da aquisição de material, ficam espantados. Eles têm o apoio do governo dos seus países, e quando o material chega ao fim de vida, tem de sair do circuito. É esse material que aproveitamos, porque muito ainda está por estrear», sublinha.
Para além da cedência do material técnico, os soldados da paz de Albufeira contaram ainda com o apoio da empresa inglesa «Tap Freight», a qual comprou as paletes com grades e levou o material para o seu entreposto e da empresa «Algarve Removals» que fez «o transporte gratuito de treze paletes com 700 quilos até ao nosso quartel».

António Coelho, 41 anos, o comandante responsável por esta corporação, refere que «a doação vem apetrechar-nos com um conjunto de equipamentos específicos que trazem uma evolução tecnológica. Estamos a falar de equipamentos que a Associação Humanitária do Corpo de Bombeiros de Albufeira teria muita dificuldade em adquirir. São fundamentais para operações de resgate e salvamento, alguns deles específicos para resgate em estruturas colapsadas. Outros vão permitir apetrechar todos os elementos que fazem parte do departamento de buscas da unidade de salvamento aquático. E algum equipamento vai ainda permitir-nos fazer a intervenção, salvamento e desencarceramento em veículos pesados e similares. São equipamentos que não tínhamos e faziam muita falta», explica.

Entre os materiais cedidos estão duas câmaras térmicas que servirão para «ver pontos quentes» como uma vítima inconsciente no meio do fumo, permitindo assim um socorro muito mais rápido e preciso.

«Este tipo de câmara pode custar entre os 10 e os 15 mil euros», contabiliza Correia. Também foram doadas câmaras para busca de subterrados com monitores a cores, que permitem, por exemplo, numa situação de desabamento, identificar vítimas subterradas. Importante também é a cedência de três quadripés com desmultiplicadores que permitirão «resgates em alturas, como em falésias, valas ou poços», exemplifica.

Foram ainda doados muitos outros materiais como corta-pedais e fechaduras para desencarceramento, coletes salva vidas, lanternas, sistemas de estabilização, monitores canhão, motobombas para apoio às operações, entre centenas de artigos.

O comandante avança ainda que os equipamentos serão «distribuídos por alguns dos outros 13 corpos de bombeiros voluntários da região algarvia. Esta tem sido sempre a nossa política de partilha, que se revela fundamental, pois temos a consciência que as necessidades são transversais».

A inglesa Tracey Cheetham, 44 anos, foi o importante elo que ligou Albufeira à brigada de South Yorkshire. Em declarações ao «barlavento» explicou que visita «Portugal com regularidade e que tem assistido aos desafios que os Bombeiros Voluntários de Albufeira enfrentaram nos últimos tempos. Principalmente no combate às cheias e aos incêndios».

«Quis ajudar pois tomei consciência do quão vitais são os trabalhos que desenvolvem em todos os serviços que prestam à comunidade. Enquanto bombeiros voluntários o seu trabalho é incrivelmente inspirador. Sinto-me bastante impressionada e grata pela forma como mantêm residentes e turistas em segurança», sublinha Tracey Cheetham.

«Não vivemos de palavras mas sim de atitudes»

«Temos homens e mulheres com formação técnica, em permanente atualização, com conhecimentos que salvam vidas e que fazem toda a diferença. Pessoas cujo índice salarial é de 550 euros de vencimento base, mas que não regateiam esforços para salvar vidas ou para estar onde fazem falta. E há de facto um reconhecimento simpático pelos bombeiros mas são apenas palavras. E nós não vivemos palavras, mas sim de atitudes», diz.

António Coelho, comandante dos Bombeiros Voluntários de Albufeira. A curto prazo, refere a importância de aquisição de «equipamentos de proteção individual e de combate a incêndios urbanos», e «de um veículo de combate a incêndios urbanos». Os leitores do «barlavento» também podem ajudar. «Tornem-se nossos sócios! Temos 1800 sócios ativos mas gostaríamos de ter como associados todos os residentes no concelho de Albufeira. Estamos a falar de uma quota de 12 euros por ano, que iria representar um apoio significativo. Em vez de 1800 sócios poderíamos ter 20 mil sendo que o universo de residentes é de 40 mil». Até porque, defende, «ser sócio dos bombeiros deveria ser considerado um dever cívico. Quer faça chuva ou sol, quer seja por causa do filho, do gato ou da casa, nós estamos lá! Apoiar os bombeiros é apoiar-se a si mesmo», conclui.

«Os níveis de stress dos bombeiros são descomunais»

Com uma média de 35 ocorrências por dia desde o início de 2016, o comandante sente «que temos muitas mais ocorrências do que em anos anteriores». «Contamos com cerca de 70 profissionais e 70 voluntários mas mesmo assim temos carência de funcionários». O orçamento anual de cerca de um milhão e quatrocentos mil euros e uma despesa mensal de cerca de 75 mil euros, não permite aumentar o quadro de efetivos da corporação. Os Bombeiros Voluntários de Albufeira desempenham sobretudo missões «de proteção e socorro, combate a incêndios, salvamentos, e outras complementares como a emergência médica e situações inopinadas». Recebem em média 15 solicitações relacionadas com serviços de emergência médica por dia, e devido à sua localização central, estão «constantemente a ser chamados para todo o lado». «E vamos sempre resolver!», confira o comandante António Coelho.

Fonte: barlavento.pt

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.