Liga concluiu que “houve falhas graves na estratégia e coordenação” no Algarve

0

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) concluiu ter havido “falhas graves na estratégia e coordenação” no incêndio que lavrou, em julho, no Algarve, considerando que se verificou “um total descontrolo” nas primeiras 34 horas do fogo.

Num relatório sobre o incêndio que deflagrou de 18 a 22 de julho, na Serra do Caldeirão, entre Tavira e São Brás de Alportel, a LBP conclui ter havido falhas graves na estratégia e coordenação no comando das operações, “pelo que o dispositivo de combate andou sempre atrás do incêndio em vez de se antecipar à sua evolução”.

O documento realça também que “não foi feita uma correta identificação das necessidades e o atempado pedido de reforços”, adiantando que o comando esteve apenas entregue aos bombeiros durante três horas, num período em que o incêndio se desenvolvia ainda em três frentes”.

“Durante as mais de 30 horas seguintes, foi da responsabilidade do comandante distrital de socorro de Faro”, refere.

“Verificou-se o total descontrolo nas primeiras 34 horas do incêndio, tendo sido injetados meios no teatro de operações sem estas corresponderem a um plano estratégico de ação”, lê-se no documento, que realça a falta de capacidade de antever a progressão do fogo e de se tomarem “as decisões estratégias adequadas para o seu domínio em tempo útil”.

O relatório, cujo relator foi Duarte Caldeira, ex-presidente da LBP, assinala igualmente que “o método de combate indireto e a mobilização de meios necessários para o mesmo, só se verificou de forma estruturada cerca de 48 horas após o incêndio ter-se iniciado”.

A LBP concluiu igualmente que “não houve uma efetiva articulação entre o nível nacional e distrital da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e as duas câmaras municipais afetadas”.

“Constatou-se que há elementos de comando, nomeadamente da estrutura da ANPC, que não dominam a aplicação prática do sistema de gestão de operações facto que resultou na fragilização da importante missão do posto de comando”, adianta.

A LBP refere também que o “elevado número de meios aéreos envolvidos motivou, em muitos momentos, a falência da função de comando”, além de se terem verificado “acentuados desníveis na capacidade operacional, composição e comando de alguns grupos de reforço de incêndios florestais”, o que se refletiu nos resultados alcançados no teatro de operações.

Duarte Caldeira refere que se constatou, “mais uma vez, a grande dificuldade de mobilização de recursos humanos nos corpos de bombeiros” da região do Algarve, nesta altura do ano, que se resumem aos elementos inseridos no dispositivo especial de combate a incêndios florestais.

A LBP destaca que este incêndio envolveu um conjunto de meios sem paralelo em qualquer outro fogo ocorrido desde 2005, mas considera que não foram acionados os planos municipais de emergência de Tavira e de São Brás de Alportel.

O relatório, que faz uma evolução da operação de combate ao incêndio, recomenda que se invista na formação especializada de elementos da estrutura operacional da ANPC e dos bombeiros, no domínio do sistema de controlo de comando e de controlo, e se reforcem equipas de comando dos bombeiros, para a gestão de grandes incêndios.

A LBP propõe ainda que seja reavaliada a formação ministrada na Escola Nacional de Bombeiros, revisto o modelo de constituição e deslocação dos grupos de reforço de incêndios florestais, e clarificada a decisão política de emergência face à extinção dos governadores civis.

A LBP refere que o relatório não é um inquérito ao incêndio do Algarve, constituindo um documento de análise, que visou identificar vulnerabilidades “que permanecem por resolver, e que justificam as graves consequências que dele decorrem”, além de sublinhar que as conclusões não apontam para responsabilidades individuais.

FONTE: Ionline

Sobre o autor

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.