Bombeiros Voluntários da Ajuda “regressam às origens” 100 anos depois

1
imagem: bvajuda.pt

Imagem: bvajuda.pt

Os Bombeiros Voluntários da Ajuda inauguram no domingo o seu novo quartel nesta freguesia lisboeta, depois de terem estado mais de 100 anos no centro da cidade, junto à Avenida da Liberdade, foi hoje anunciado.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da direção da Associação dos Bombeiros Voluntários da Ajuda, Luísa Vicente Mendes, disse que este é um “regresso às origens” da corporação que estava, desde o início do século XX, na Praça da Alegria, freguesia de Santo António.

Fundada em 1880, a corporação esteve durante 10 anos junto ao Palácio da Ajuda, mas por decisão da rainha D. Maria Pia teve de sair, primeiro para Belém e depois para o centro da cidade.

“A rainha sentia-se incomodada porque quando havia alguma saída dos bombeiros” ouvia-se barulho “das patas dos cavalos e das rodas das carroças” na Calçada da Ajuda. “E aí os bombeiros tiveram ordem de saída”, recordou Luísa Vicente Mendes.

Para tornar este regresso uma realidade, a Câmara de Lisboa aprovou, em meados de abril de 2015, a cedência gratuita, em direito de superfície, de um terreno municipal com 1.500 metros quadrados localizado na Rua Sá Nogueira, Alto da Ajuda.  Apesar da cedência por 50 anos, que pode ser renovável, a corporação terá de pagar uma renda anual de 896 euros.

Para a presidente da Associação dos Bombeiros Voluntários da Ajuda, as novas instalações vêm colmatar a falta de bombeiros voluntários nesta parte de Lisboa.

“Toda esta zona ocidental da cidade estava desprovida de bombeiros voluntários porque a grande concentração dos bombeiros voluntários é naquela zona central que, aliás, se entende porque era a zona que era mais habitada da cidade”, indicou a responsável.

Segundo Luísa Vicente Mendes, a corporação — que, juntamente com outros voluntários que lhes prestam apoio, soma 20 pessoas — foi “muito bem recebida por parte da população”, tanto da Ajuda, como das freguesias vizinhas, Alcântara e Belém.

Para já, os bombeiros da Ajuda ficam alojados em instalações provisórias (contentores), até conseguirem construir as definitivas.

Apesar de a associação já ali ter investido perto de 450 mil euros em obras de requalificação, Luísa Vicente Mendes admitiu que “ainda falta muita coisa”. Contudo, ressalvou: “Este era um terreno baldio e agora é um espaço que muito nos orgulha”.

Em comunicado hoje divulgado, a Câmara de Lisboa salienta que as novas instalações vão possibilitar “que os bombeiros tenham agora melhores condições logísticas, de acessibilidade e de parqueamento das suas viaturas”.  Na Praça Alegria, parte das viaturas da corporação estava estacionada na rua.

A cerimónia de inauguração do novo quartel inicia-se às 10:30 de domingo e contará com a presença do presidente do município, Fernando Medina.

Fonte: Notícias ao Minuto

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.

  • – Parabéns aos Bombeiros Voluntários da Ajuda, por este regresso às origens. – Entretanto, caso queiram fazer parte da história, novamente, sugiro entrar em contacto com Roberto Moreno, fundador e presidente da Fundação Geolíngua, e que, em 2002, apresentou o projeto GEO bombeiro, ao MAI, porem … !!??