Bombeiros querem carreira única na emergência médica

0
Imagem: Amadeu Araújo | TSF

Imagem: Amadeu Araújo | TSF

Corporações lamentam terem ficado de fora do novo diploma sobre carreira dos técnicos de emergência do INEM.

O Governo tem pronto o diploma relativo à carreira dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar que trabalham no Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e que deve ser aprovado no conselho de ministros desta quinta-feira.

Segundo a nova legislação, estes técnicos serão os únicos profissionais reconhecidos ao nível do sistema pré-hospitalar, enquanto os bombeiros, que garantem, no país, a maioria deste socorro, avisam que “passará a haver dois tipos de socorro em Portugal”.

Na prática onde existirem ambulâncias operadas pelo INEM, sobretudo nas cidades, haverá possibilidade de administração de medicação oral e, em situação de risco, a aplicação de injetáveis e de início dos protocolos de reanimação.

Já se as ambulâncias, mesmo sendo do INEM, forem operadas pelos bombeiros, o que ocorre sobretudo nas áreas rurais, apenas haverá lugar a manobras básicas de emergência.

Rui Moreira, presidente da Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários avisa que está em causa “a qualidade do socorro prestado”. Os bombeiros sublinham que esta “é uma grande conquista na área da emergência pré-ospitalar” mas estranham” ter ficado de fora do processo uma vez que “a maioria das emergências médicas é realizada pelas corporações de voluntários”.

Para evitar que a população tenha diferenças no atendimento das emergências médicas é preciso, diz o operacional, “uniformizar a carreira destes operacionais, alargando-a aos bombeiros que garantem a maior parte das emergências médicas no país”. Ou seja, “uma única carreira de técnicos de emergência, com competências atribuídas e aberta, não só a técnicos do INEM mas a todos os operacionais que garantem o funcionamento da emergência médica em Portugal”.

Questionado pela TSF o ministério da Saúde diz que estas questões estão a ser analisadas e promete esclarecimentos para mais tarde.

Fonte: TSF

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.